Rui Barreto considera que o Orçamento para 2019 está mais próximo do pensamento centrista

O líder do CDS-PP Madeira, Rui Barreto, considerou hoje que o orçamento apresentado pelo Governo Regional para 2019 “está mais próximo do que pensa e tem defendido o CDS-PP nos últimos anos”.
Barreto falava após uma primeira leitura à proposta do Governo Regional, que foi entregue esta sexta-feira na Assembleia Legislativa da Madeira.
No plano social, a proposta de Orçamento contempla uma redução nos escalões de IRS, uma descida no IRC e no custo das mensalidades das creches, um kit bebé no valor de 400 euros, como medida de apoio à natalidade, e a redução dos passes sociais, proposta do CDS que o executivo de Miguel Albuquerque acolhe neste Orçamento, salienta o partido.
“O CDS sempre defendeu que os impostos cobrados a mais devem ser devolvidos às famílias e às empresa”, refere o dirigente partidário, para anotar. “Foram sete anos de impostos a mais e por isso o CDS regista, como sempre defendeu, a redução da carga fiscal e o facto de finalmente ter sido incluída a redução dos passes sociais para toda a Região”.
Rui Barreto entende, todavia, que o governo devia ir mais longe. “Falta coragem e uma gestão mais criteriosa, no sentido de reduzir o flagelo das listas de espera para cirurgias”, afirma. “Verificamos também que não há redução dos custos de contexto, nem com as mercadorias no porto do Caniçal, não há a eliminação da taxa de uso portuário para a importação e não há uma redução nos custos da gasolina em 9 cêntimos e de 11 cêntimos no gasóleo, como o CDS entende que é possível face ao volume de receita fiscal que o governo prevê arrecadar com os combustíveis.”