Rui Barreto diz que o CDS-PP “começa a incomodar” e é “uma alternativa credível e de esperança”

Barreto BB
Rui Barreto promete apresentar até às eleições novas propostas “em que os madeirenses se revejam

Foi o primeiro Conselho Regional presidido por Mário Pereira. O CDS-PP está bem e recomenda-se, pelo menos foi isso que deixou transparecer o líder do partido na Madeira, que apresentou aos militantes, esta quinta-feira, um balanço dos primeiros 120 dias da sua liderança, colocando o enfoque na estabilidade interna, na coesão e mobilização. Rui Barreto falava na reunião daquele orgão, que serviu para eleger os cinco delegados ao Conselho Nacional e votar as cinco moções sectoriais que foram apresentadas ao Congresso Regional de Julho passado.

“Estamos a começar a incomodar, e isso vê-se não só pelo número de conselheiros presentes nesta sala mas porque ainda hoje (ontem) fiquei meio assustado ao saber das centenas de pessoas que já se inscreveram para o jantar de Natal, que é pago, e mesmo assim as pessoas estão a aderir em força”, disse, para acrescentar que há uma tentativa de fazer crer às pessoas que “têm que escolher apenas entre o PSD e o PS”.

Nada mais falso, como referiu o líder regional, afirmando que o CDS “é a alternativa credível e a esperança”, porque faz “política com utilidade para as pessoas” e deu o exemplo dos passes sociais para toda a Região, apontando também as propostas que ele próprio como vereador na CMF fez aprovar no Funchal, nomeadamente o apoio nas mensalidades das creches, o Cartão Eco, a legalização das casas ilegais e o ter travado a derrama. “É o CDS que tem marcado a agenda política regional no Parlamento pela qualidade das suas propostas, como a dos passes sociais, que vai corrigir uma enorme injustiça, a redução do IRC e o regime de contratação pública para valorização da agricultura e produtos regionais”, sublinhou. “E tudo isto para que os madeirenses não estejam condenados a escolher entre a dicotomia do PS ou do PSD, têm no CDS uma alternativa segura e de esperança”.

Rui Barreto promete apresentar até às eleições novas propostas “em que os madeirenses se revejam”, diz que o partido dispõe de “pessoas com mérito” e empenhadas em fazer melhor e diferente e por isso “devem merecer a confiança” dos madeirenses. “Eu sou apenas o líder do CDS, preciso de todos vós, estamos a demonstrar às pessoas que somos competentes, não somos financiados por nenhum grupo e fazemos aquilo que dizemos, sem medo de sermos claros.”

“Temos sido o primeiro em muitas iniciativas mas também fomos os primeiros a apresentar a nossa candidata ao Parlamento Europeu [irá em 5.º lugar na lista nacional], a professora universitária Margarida Pocinho, que é uma académica do povo, uma pessoa humilde com um currículo assinalável”, sublinhou o líder do partido.

José Manuel Rodrigues, presidente do partido e do Conselho Económico e Social do CDS, apresentou aos conselheiros o plano de atividades deste órgão de consulta, anunciando a criação de 20 grupos de trabalho, num total de 100 pessoas. Os grupos sectoriais vão debater áreas como o sistema político e fiscal, passando pela administração pública regional, as relações externas e comunidades, o turismo, a agricultura, florestas, pescas, alterações climáticas, comércio, serviços e renovação, obras públicas, habitação e reabilitação urbana, emprego e precariedade, natalidade, família e e