Albuquerque critica BE e diz que vai avançar em 2019 com apoios para o passe social nos transportes públicos

Miguel Albuquerque visitou a Feira da Economia Social acompanhado da secretária da tutela.

Fotos: Rui Marote

O chefe do Executivo madeirense disse que em 2019 avançará com apoios na área dos transportes públicos na RAM, nomeadamente com o passe social, nos transportes “quer urbanos quer interurbanos”, e que as verbas necessárias para tal serão já alocadas no próximo Orçamento da Região. O anúncio foi feito aquando de uma visita, esta tarde, à Feira de Economia Social situada na Praça do Povo.

Referindo-se à intenção de incentivar medidas para melhorar a qualidade de vida das famílias madeirenses, Miguel Albuquerque referiu hoje que, além do já anunciado apoio para o pagamento das creches, e do apoio ao passe sub-23 – “que deveria ser apoiado pelo Governo da República” – o governante disse que a próxima medida a aplicar será o apoio aos supracitados passes de transporte público.

“Nós entendemos que temos condições orçamentais para apoiar as famílias nos transportes públicos, entendemos que há margem para (…) diminuir os encargos mensais das famílias nos passes”, declarou.

Referindo não poder ainda consubstanciar em quanto se cifrará esse apoio, o governante referiu todavia que este apoio se estenderá a todas as famílias. “Obviamente que depois é possível, como é normal, que haja uma majoração para aquelas que têm menos rendimentos. Seja como for, há já um apoio quer para os idosos, quer para os estudantes”, salientou, acrescentando contudo que certamente se encontrarão novas formas de baixar esses custos.

O presidente não quis avançar com dados concretos sobre quanto é que poderá ser reduzido nos custos dos passes, criticando aqueles que passam a vida a anunciar “milhões e triliões”. Aproveitou, nesse sentido, para criticar “estes senhores da oposição, do Bloco de Esquerda”, os quais, na sua opinião, “têm uma lata desgraçada” e fizeram agora “uma fita” ao marcarem presença no porto do Funchal “fingindo-se” preocupados com o ferry, quando “eles próprios nada fizeram para que o Governo da República, o governo deles, apoiasse a linha marítima. Ainda têm a distinta lata de irem para ali protestar que querem que o ferry venha todo o ano”, indignou-se, “quando foi a ministra do Governo apoiado por eles que disse na Assembleia da República que não iria apoiar [a linha marítima o ano todo]”.

Albuquerque aproveitou também a ocasião para agradecer a todas as instituições de solidariedade social pelo papel que desempenham no apoio às populações.

“É preciso realçar que muitas das pessoas que estão ligadas quer às IPSS quer às Casas do Povo são voluntários, que disponibilizam grande parte do seu tempo ao serviço da comunidade, sobretudo daqueles que são mais vulneráveis”, salientou.

O chefe do Executivo madeirense disse que o Governo Regional “afecta uma parte muito grande do Orçamento” à área social, incluindo a saúde e a educação.