JPP aconselhou CDS e PS a “terem juízo” e não fazerem oposição “demagógica”

 

O partido JPP veio hoje, pela voz de Élvio Sousa, aconselhar o PS e o CDS a “terem juízo e a praticarem uma oposição responsável e coerente”.

O secretário-geral do Juntos pelo Povo (JPP) criticava “a elevada ansiedade” dos partidos tradicionais, devido à proximidade das eleições, nomeadamente os últimos ataques do CDS e PS à gestão do executivo JPP no município de Santa Cruz.

Neste aspecto, alertou para o que considerou serem contradições visíveis: no caso do CDS, as mesmas consubstanciam “um exercício demagógico e de alguma desonestidade política” ao confundir taxas com impostos e ao criticar a taxa de protecção civil da autarquia sem sequer reconhecer o forte investimento na segurança da população. Aliás, sublinhou, que o CDS, na sua urgência eleitoralista, tem exercido outras tantas incoerências.

A este propósito, salientou que “não existe maior disparate político, e com um alcance de irresponsabilidade assinalável, do que afirmar que Santa Cruz tem uma estratégia demasiado virada para a área social”. Lembrou que foi aquele partido que, há três anos atrás, coligado com PSD, lançou o maior ataque fiscal sobre as empresas, famílias e cidadãos, em Portugal, e com extensão às regiões autónomas. “Não esqueçamos o corte das pensões, o desemprego e o aumento de impostos”, relembrou, acusatório.

Já ao PS, Élvio Sousa aconselhou a ter juízo e “a fazer uma oposição credível – que é saudável em democracia”. Isto porque também agora, com a força e com o apoio directo de determinados grupos económicos, que dificultam a baixa do custo de vida às famílias e às empresas, “chega ao ponto de inventar um novo empréstimo para Santa Cruz, ignorando que já o tinha votado em Assembleia Municipal, permitindo assim a sua concretização”.

O JPP, através da Câmara Municipal de Santa Cruz, continuará a investir na área social, no apoio aos estudantes, à educação e à população carenciada, prometeu.