Cães dos “sem-abrigo” investiram e morderam novamente pessoas na Praça do Carmo

São estes os cães que circulam e ameaçam e mordem pessoas impunemente, sem que as autoridades nada façam.

O Funchal Notícias presenciou hoje o comportamento agressivo de vários cães de rua, na Praça do Carmo, nas proximidades da chamada “Sopa do Cardoso”. Um grupo de três cães que parecem não ter dono fixo e costumam andar na companhia de sem-abrigo, sem trela ou coleira, atacaram várias pessoas e morderam um homem, residente nas imediações, rasgando-lhe as calças e infligindo-lhe uma ferida na perna.

Estas situações, que se verificam de forma recorrente, já foram denunciadas por duas vezes pelo FN, há mais de um ano. O homem que foi mordido fez-nos depois chegar um relato referindo o seguinte: “Hoje,depois da hora de almoço, no Funchal, em frente ao edifício da chamada “sopa do Cardoso” fui surpreendido por vários cães, tendo sido mesmo mordido numa perna por um deles. O cão demonstrou muita agressividade e segundo relatos de testemunhas que trabalham na zona, quase todos os dias tem acontecido o mesmo a outras pessoas”.

“Para evitar que volte a acontecer a outros transeuntes solicito através deste meio que divulguem a mensagem e que me possam indicar que entidade posso informar para poder intervir neste caso”, refere o cidadão, devidamente identificado.

Pouco depois desta situação os mesmos cães voltaram a ameaçar em simultâneo outras pessoas, só não as mordendo porque estas conseguiram reagir a tempo, procurando afugentá-los e evitar o ataque.

O FN volta a sublinhar, como há um ano atrás, que os ditos cães são por vezes plácidos, dormindo ao sol como se fossem inofensivos, mas-se mostram o seu lado agressivo sem aviso, costumando atacar e matar gatos nas redondezas – para o que chegam a ser incentivados pelos seus ditos “donos” sem abrigo, conforme já assistimos – além de perseguirem pessoas, mordendo-as, e inclusive ciclistas e motociclistas, quase causando acidentes.

Os empregados das esplanadas da zona já os conhecem bem e ainda ontem uma delas comentava que ninguém intervém. De facto, os ditos sem-abrigo e os seus cães soltos aparentam ser os únicos que não precisam de cumprir a legislação para possuir e circular na via pública com animais, no Funchal. PSP, GNR, e Câmara Municipal do Funchal, nestes casos, demitem-se das suas funções e não tratam de recolher os animais ao canil.

O caricato da situação é que os ditos cães até já causaram discussões sérias entre os próprios “sem-abrigo” – alguns dos quais não o são verdadeiramente mas sim pessoas que não exercem qualquer actividade durante o dia ou da noite a não ser beber – porque tentam morder alguns deles, uns outros intrometem-se para defender os canídeos, e entretanto os ditos cidadãos, vistos com indulgência pela CMF pela sua situação socialmente “à margem” já se envolveram mais de uma vez no que prometia serem sérias cenas de pancadaria, inclusive com arremesso de objectos pesados, nas proximidades da dita “Sopa do Cardoso”.

Entretanto, não vai faltando quem, nas redes sociais, continue a insistir que estes animais são “inofensivos”, contra toda a evidência.

Este assunto foi hoje também referido noutros órgãos de informação regionais, nomeadamente o JM.