Governo vai revitalizar centro da Calheta e concentrar serviços públicos num edifício

Calheta Calado
A revitalização do centro da Calheta foi assumida pelo vice presidente do Governo numa reunião com o presidente da Câmara.

O Governo Regional vai lançar o concurso público para a elaboração do projeto da obra de construção e reconversão dos edifícios onde funcionam, atualmente, alguns serviços públicos da Calheta, “numa ação concertada entre Câmara, Governo e Santa Casa da Misericórdia”, como refere uma nota do gabinete de comunicação da vice presidência.

a mesma nota aponta que “o lançamento de concurso de ideias para elaboração do projeto para a obra de construção será realizado ainda este ano, comprometendo-se o Governo Regional em apoiar a Câmara Municipal, através da realização do levantamento topográfico de toda a zona, de maneira a ser possível dar início ao projeto”.

Estas decisões foram assumidas esta semana, durante uma reunião entre Pedro Calado, o vice do Governo, o presidente da Câmara Municipal da Calheta, Carlos Teles e dois vereadores, para “acordar sobre o plano de requalificação dos Paços do Concelho e reconversão dos edifícios circundantes”. Também presente o diretor regional adjunto de Finanças, Rogério Gouveia, e a diretora regional da Autoridade Tributária e Assuntos Fiscais da RAM, Lina Camacho.

Pedro Calado sublinhou que aquilo que pretende o Governo é que esta requalificação possa agregar “o maior número de serviços, de forma a resolver as situações que careçam de intervenção e, ao mesmo tempo, prover o município da Calheta de melhores instalações e de melhor qualidade de serviços para os trabalhadores e os próprios utentes”.

A compra do imóvel, onde passarão a funcionar os serviços, foi formalizada no passado mês de junho pela autarquia. Trata-se de um prédio com cerca de três mil metros quadrados, confinante ao prédio onde atualmente estão instalados os Paços do Concelho e que era propriedade da Santa Casa da Misericórdia da Calheta.

A informação da vice presidência dá conta que se pretende “englobar um maior número de serviços no mesmo espaço físico, nomeadamente o arquivo municipal que atualmente funciona em edifício arrendado pelo município, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, a criação de um posto de informação turística, gabinete de proteção civil, sala de exposições, entre outras”.