Solar do Aposento alarga oferta cultural da Madeira

Solar do Aposento 2
Miguel Albuquerque inaugurou o Solar dos Aposentos.
Solar do Aposento 1
O Solar dos Aposentos.

O presidente do Governo inaugurou hoje o Solar do Aposento, um novo espaço cultural localizado na Ponta Delgada e que reproduzirá o ambiente de uma tradicional casa madeirense, ao longo dos séculos XVIII, XIX e XX. Miguel Albuquerque considerou mesmo o melhor solar rural da Madeira, totalmente preservado.

O projeto, como refere uma nota da presidência, “foi iniciativa do próprio líder madeirense, tendo a Secretaria Regional dos Equipamentos e Infraestruturas promovido melhoramentos no imóvel e a Secretaria Regional do Turismo e Cultura liderado o projeto”. Albuquerque diz que este solar vem na sequência de um projeto do Governo Regional, que passa pela criação de uma rede de solares para reforçar a oferta cultural, em primeiro lugar para a população, mas depois para o Turismo.

As obras, que demoraram quatro meses e foram adjudicadas por 101.994,41 euros, consistiram na beneficiação do edifício do Solar do Aposento, abarcando a torre e os vários corpos do edifício. Foram trabalhos a nível da cobertura e da sua estrutura, incluindo levantamento das telhas existentes, consolidação e recuperação dos elementos estruturais da cobertura e tratamento com inseticida e fungicida. E incluiu também a substituição do guarda-pó e forro e colocação de subtelha e nova telha de canudo envelhecida artificialmente.

Foi feita igualmente a reparação e substituição de caleiras, rufos, algerozes e tubos de queda, a par de trabalhos de picagem, raspagem e reparação de rebocos para aplicação de barramento em cal, incluindo reparação dos vãos, portas e janelas, exteriores e respetivas pinturas.

“Trata-se de uma construção de meados do século XVIII, como pode ver-se numa inscrição em pedra a data de 1746, provavelmente erguida sobre construção mais antiga. Nas imediações existe mesmo um moinho de água e são visíveis outras construções no intramuros da propriedade, que devem corresponder a antigos estábulos e casas de meeiros”, aponta a mesma nota.

A Casa do Aposento, lembra o gabinete de comunicação da Quinta Vigia, “era propriedade de Maria Hilária Diniz Abreu de Freitas (1913-2003), que legou, por testamento, à Região Autónoma da Madeira o imóvel, com o seu recheio, para ser ali instalada uma estrutura museológica, dando a conhecer as suas coleções artísticas a todos os visitantes, curiosos das tradições do norte da Madeira e de Ponta Delgada.

Do recheio da Casa do Aposento, doado à Região, deve antes de mais referir-se uma característica, a de ter na sua maioria sido adquirido no mercado antiquário regional e outra parte ser constituído por herança familiar.

Solar do Aposento II
O presidente do Governo Regional entregou uma carrinha ao Lar de Idosos.

Pode caracterizar-se um núcleo significativo constituído por mobiliário de origem madeirense do século XIX, em vinhático, til e castanho, seguindo modelos do mobiliário coevo inglês, a grande referência da marcenaria regional desse século. Outro conjunto, mais eclético é marcado pelo mobiliário inglês, mas também português de finais do século XVIII e XIX. No mobiliário nacional deve destacar-se um canapé de pau santo, em estilo D. José I, com seu espaldar recortado e pernas galbadas.

Do conjunto refira-se especialmente um Santo António, escultura em madeira estofada, policromada e dourada, datável de meados do século XVII, de uma boa oficina regional. A mesma origem pode ter uma Nossa Senhora da Piedade, também na coleção. De uma oficina portuguesa, de meados do século XVII, é uma pintura a óleo sobre tela, posta numa moldura de meados do século XIX, representando Nossa Senhora com o Menino. Trata-se de uma obra informada dos valores lumínicos da produção ibérica e mesmo italiana de efeitos tenebristas.

Na coleção, ainda especial referência para um espelho de madeira entalhada e dourada, de uma oficina nacional ao tempo de D. Maria I, de finais do século XVIII, inícios do século XIX. Apresenta forma retangular com duas grinaldas de belo efeito. Devem destacar-se dois espelhos portugueses dourados de meados do século XIX.

No conjunto da doação mencione-se um alargado número de objetos de uso doméstico, que caracterizam as cozinhas, quartos de dormir ou mesmo da casa de jantar madeirense de meados do século XIX. Especial nota para as loiças inglesas, em faiança, estampilhadas da mesma época.

À apresentação inaugural das coleções do Aposento, foram adicionadas peças provindas das coleções do Museu Quinta das Cruzes, para uma mais coerente harmonização de períodos estilísticos, e reforçar a dimensão de casa ao gosto madeirense do século XIX e de boa parte do século XX.

Foi classificada como imóvel de valor cultural local em 1993 e em 2001, como imóvel de interesse municipal.

Este projeto é uma iniciativa da SRTC-Secretaria Regional do Turismo e Cultura através da DRC Direção Regional de Cultura-Direção de Serviços de Museus e Património Cultural, com a participação especial do Museu Quinta das Cruzes. Na concretização foi integrada uma vasta equipa, da SREI, Secretaria Regional de Equipamento e Infraestruturas, da Junta de Freguesia de Ponta Delgada e da Câmara Municipal de São Vicente.