Diogo Goes expõe em breve na galeria “Marca de Água”, no Funchal

A nova exposição individual do artista plástico madeirense Diogo Goes, intitulada “Mamã, Eu não quero ser Pós-Moderno!” será inaugurada no próximo dia 5 de Julho, quinta-feira, pelas 18h30m na Galeria Marca de Água, à Rua da Carreira nº119, no Funchal.

O conceito da exposição, explica uma nota de imprensa, pretende elaborar uma crítica ao discurso estético da contemporâneidade e à apócope do “Pós-modernismo”, revisitando o livro “O Pós-Moderno explicado às crianças” de Jean-François Lyotard. Esta é “uma exposição que é uma contínua provocação ao espectador, pela crítica societária que realiza com múltiplas referências à história da arte, à literatura, ao erotismo, ao animalesco. Esta exposição irá integrar cerca de cinco dezenas de trabalhos de duas séries “Caprichos de Goes” e “365 dias para ser como um jumento” aos quais se somam várias outras dezenas de obras especificamente desenvolvidas para o efeito, de grandes, médios e pequenos formatos, que exploram diferentes domínios da representação, o desenho – acrílico e pastel de óleo, esferográfica sobre papel; pintura – acrílico sobre tela; e a instalação. Os trabalhos ocuparão os três andares da galeria. De destacar o título da obra de Diogo Goes que serve de imagem de cartaz: “A Madonna vai ao talho e encontra Fernando Pessoa!”.

Desta exposição resultará ainda, a edição de um catálogo com textos do jornalista e museólogo Agostinho Santos, director da Bienal Internacional de Arte de Gaia; e da gestora cultural Esmeralda Lourenço, responsável pelo Museu Henrique e Francisco Franco. Podemos ler no catálogo que: “A sua obra – de Diogo Goes – reflecte a admiração que sente por Picasso, Goya e Velásquez, não sendo de todo linear, nem consensual. Coloca a nu a agressividade a par da sua essência espiritual de homem de fé, misturando cenas da vida quotidiana, com imagens do mundo religioso.”

Diogo Goes é licenciado em Artes Plásticas – Pintura, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Possui formação nas áreas da Gestão e Financiamento de Organizações e Projectos Culturais, e em Pedagogia. É autor de cinquenta exposições individuais e integrou mais de uma centena de exposições colectivas em todo o país e estrangeiro, destacando-se a participação em várias bienais internacionais. Recebeu prémios e bolsas. A par da sua actividade artística, é professor universitário e director de eventos no ramo empresarial e associativo, assegura a nota enviada à nossa Redacção.

Eesta exposição irá também integrar alguns trabalhos convidados, da autoria de alunos do Curso Científico-Humanístico de Artes Visuais da Escola da APEL – estando integrados na programação da APELarte 2018 – e que estarão em diálogo ou interpretando obras de Diogo Goes, antigo aluno desta escola.

A exposição, com entrada gratuita, ficará patente ao público até ao dia 26 de Setembro e poderá ser visitada de segunda a sexta-feira, no horário das 10h30m às 18h30m.