Jovens socialistas das RUP atlânticas estiveram no parlamento europeu com Liliana Rodrigues

Ao longo dos últimos dois dias, uma comitiva constituída por duas dezenas de jovens socialistas provenientes dos onze concelhos da Região esteve no Parlamento Europeu, numa iniciativa organizada pela eurodeputada Liliana Rodrigues, e que juntou jovens oriundos das regiões ultraperiféricas europeias, nomeadamente Madeira, Açores e Canárias. A iniciativa contou com um momento de discussão da realidade dos três arquipélagos no primeiro dia e no segundo dia com uma sessão de discussão com a eurodeputada madeirense.

No final da iniciava, Olavo Câmara, presidente da JS-Madeira, referiu que “desta iniciativa resultou uma lista de causas prioritárias para os jovens dos 3 arquipélagos, que são problemas comuns a todos os jovens da nossa geração: educação, emprego, habitação, participação, mobilidade e coesão territorial”.

Olavo Câmara refere que “no caso da Madeira estas causas são ainda mais importantes, tendo em conta que temos a maior taxa de abandono escolar precoce do país, uma das taxas mais baixas de escolarização superior, a maior taxa de desemprego jovem, uma das maiores taxas de emigração jovem, a milha aérea voada mais cara da Europa e uma das maiores taxas de abstenção europeias. A Madeira precisa, por isso, do empenho de todos na procura de novas soluções.”

O dirigente da Juventude Socialista madeirense referiu ainda que “estes jovens já deram o seu contributo: fizeram a avaliação da situação, definiram prioridades e apontaram soluções, como a gratuitidade dos manuais escolares na escolaridade obrigatória, mais bolsas de estudo para o ensino superior, mais investimento regional oriundo do Programa Erasmus+, novos programas de emprego que combatam a precariedade laboral, novos programas de arrendamento jovem em articulação com a reabilitação urbana dos centros históricos das cidades, medidas de fixação como os apoios à natalidade e o alívio fiscal local e, claro, um novo modelo de mobilidade aérea que proteja os residentes e em particular os nossos estudantes. Estes jovens cumpriram o seu papel, apontando soluções, e aquilo que esperamos é que a Europa também cumpra o seu, ajudando-nos a efectivá-las, para que todos tenhamos um futuro melhor, independentemente do local onde nascemos.”