Rui Abreu alerta para o perigo do PS/M estar a ser comandado por Lisboa

O PSD/Madeira alertou hoje para os perigos que representa o PS para a Autonomia da Região, depois de, nas eleições internas, ter vencido o candidato apoiado por Lisboa.

“Para o PSD/Madeira ficou claro: Que ganhou o candidato apoiado por Lisboa; Que o PS se tornou, assim, um partido perigoso para a Autonomia da Madeira”, explicou o Secretário-geral social-democrata, Rui Abreu, numa declaração sobre as eleições no PS, em que reafirmou as diferenças do PSD em relação à oposição.

“O PSD/Madeira continuará focado na resolução dos problemas dos madeirenses, no cumprimento do programa sufragado pela população, e na defesa intransigente da Autonomia dos madeirenses e porto-santenses”, vincou.

Sobre o PS, Rui Abreu lembrou que os social-democratas não sabem a quem saudar pela vitória, porque, ao que parece, “ganhou o candidato que não era candidato”. Uma escolha, ressalvou o Secretário-geral do PSD/M, feita como toda a legitimidade pelos militantes socialistas. “É assim que funciona a Democracia”, disse. O que não invalida que este acto eleitoral tenha demonstrado aquilo que o PSD/Madeira há muito vem alertado: O PS, um partido dividido, não tem um projeto para a Região Autónoma, quer sim o poder pelo poder.

“Não se discutiu nem debateu um projeto para a Região. Assistimos sim, a uma luta pelo poder”, observou Rui Abreu, numa declaração que nota, ainda, as contradições de quem disse que ia cumprir o mandato na Câmara do Funchal até ao fim. “A palavra de alguns tem apenas a validade de três meses”, concluiu.

Eis a Declaração do PSD/Madeira na íntegra:

1-Os militantes socialistas, exercendo o seu direito, escolheram uma nova liderança. É assim que funciona a democracia.

2-Não sabemos quem saudar porque, afinal e ao que parece, ganhou o candidato que não era candidato;

3-Para o PSD/Madeira ficou claro:

  1. Que ganhou o candidato apoiado por Lisboa.
  2. Que o PS se tornou, assim, um partido perigoso para a Autonomia da Madeira.
  3. Que não se discutiu nem se debateu um projecto para a Região. Assistimos sim, a uma luta pelo poder.
  4. Que o PS é um partido dividido.
  5. Que a palavra de alguns tem apenas a validade de 3 meses.

4-O PSD/Madeira continuará focado na resolução dos problemas dos madeirenses, no cumprimento do programa sufragado pela população, e na defesa intransigente da Autonomia dos madeirenses e porto-santenses”.