Concerto de fim de ano da Orquestra Clássica da Madeira enche Teatro Municipal e conquista o público

A maestrina, Beatrice Venezi com o solista Alberto Sousa, seguidos da interpretação muito ovacionada da Orquestra Clássica da Madeira. Fotos FN.

A Orquestra Clássica da Madeira interpretou hoje o clássico concerto do fim de ano de forma apoteótica, conduzida pela maestrina Beatrice Venezi e o solista madeirense Alberto Sousa.

Durante cerca de duas horas, o público que encheu a nobre sala do Teatro Municipal Baltasar Dias deu por bem empregue o seu tempo e os 20 euros de cada bilhete. Primeiro com Tchaikovsky, com Romeu e Julieta a aguçar o gosto na fase inicial, a maestrina Beatrice Venezi conduziu depois os seus músicos por composições de Puccini, com destaque para “E Lucevan le Stelle” e “La Tregenda”.

O público aderiu em força ao concerto. Mas o FN regista o facto de a maioria dos espetadores ser de nacionalidade estrangeira e de meia idade, faltando os jovens e os portugueses na plateia. Um trabalho de educação musical que urge reforçar para que momentos como estes sejam mais apreciados também pelas centenas de turistas de portugueses que passam férias na Madeira e até mesmo pelos madeirenses.

A segunda parte foi intensa e a mexer com as emoções do público, com a interpretação de êxitos de Richard Wagner e Giuseppe Verdi, com destaque para a interpretação fabulosa do solista Alberto Sousa, com “Granada”. Os aplausos do público levaram o solista a interpretar, graciosamente, o “O Sole Mio” e “Torna a Surriento”, com forte ovação.

Os aplausos são também para Norberto Gomes, director artístico da COM e concertino, bem como a sua assistente, Olena Soldktina.

Beatrice Venezi, maestrina, pianista e compositora, nasceu em 1990, mas tem um vasto currículo. É maestra titular da jovem Orquestra Scarlatti em Nápoles e conta com diversos prémios internacionais no seu palmarés.

Alberto Sousa nasceu na Madeira e foi um estudante do Conservatório de Música da Madeira. Recentemente, ganhou o segundo lugar e prémio do público no Robert Presley Memorial Verdi Competition, organizado pela Fulham Opera. Reside e trabalha em Londres, onde tem conquistado vários prémios.