“Obsessão” pelo corte de árvores chega agora à Avenida Arriaga

Fotos e vídeo FN.

A população que vive no Funchal continua a assistir a uma verdadeira “obsessão” pela poda de árvores que não poupa o centro da cidade. Um quadro que suscita dúvidas nos populares perante esta euforia pelo corte.

Esta “onda”, na sequência da tragédia do Monte, cuja queda de uma árvore matou 13 pessoas, tem vindo a ser notada e criticada pelos transeuntes que, rua sim rua não, se deparam com o pessoal da Câmara Municipal do Funchal a proceder à poda das árvores. Destas vez, o FN foi alertado para o corte na centralíssima Avenida Arriaga, com os funcionários da autarquia, amparados em cordas, a subirem às alturas para cortar os galhos que consideram estar doentes, mesmo que estejam verdes.

São vários funcionários nestas operações de remoção de galhos apodrecidos ou suspeitos que deixam os cidadãos atónitos com tamanha ligeireza no corte, quando, antes do acidente de 15 de agosto, tudo estava aparentemente em bom estado, segundo as autoridades camarárias.

Os funcionários não comentam, limitam-se ao corte e limpeza, ao mesmo tempo que turistas e demais população fazem as fotos para memória futura.

Entretanto, o FN foi confrontado com uma informação, ainda não oficial, que a autarquia do Funchal está a reunir com as famílias das vítimas mortais de 15 de agosto. Outro dado que foi transmitido ao FN é que há cidadãos estrangeiros a tratarem já dos processos de indemnização na sequência da morte de familiares na tragédia do Monte.