Vereadores foram à Argentina em “Executiva” e Câmara pagou 12 mil euros

Miguel Gouveia
Deslocação à Argentina dos vereadores pelo Funchal.

Neste enquadramento de campanha eleitoral, os leitores estão mais atentos às mensagens que as diferentes forças políticas concorrentes às autárquicas de 1 de outubro transmitem ao eleitorado, bem como à população em geral, acerca daquilo que os move nos diferentes concelhos a propósito de todos os setores que, pensam eles, mais tocam o povo e mais depressa provocam uma ação imediata de sensibilização para o voto nesta consulta.

No Funchal, esse quadro ganha ainda maior dimensão, por se tratar da capital, por há quatro anos ter havido “Mudança” que hoje passou a “Confiança”, por há quatro anos, o PSD ter perdido e hoje querer recuperar, por hoje surgirem candidatos que, de uma forma ou de outra, esperam bons resultados, casos de Rui Barreto, surgindo como um elemento à parte deste duelo Rubina-Cafôfo, mas também Gil Canha, pela voz de protesto que representa, sem que os outros deixem, igualmente, de desempenhar o seu papel nesta luta eleitoral, casos de Raquel Coelho, Roberto Vieira, Artur Andrade.

Os eleitores estão, por isso, mais atentos. E alguns deles fizeram chegar ao Funchal Notícias, documentos que, de algum modo, segundo dizem, “colocam a atual vereação numa posição, no mínimo, incómoda, em função da mensagem que passou por alturas da sua eleição, mas também aquela que hoje passa de igual modo assente em eventual mudança de hábitos antigos”. É verdade que os documentos são de 2016, mas só agora houve acesso aos mesmos, daí a divulgação em função do interesse público que representa qualquer assunto que envolva dinheiros públicos, independentemente de quem esteja envolvido.

viagens APDF viagensviagens COs documentos referem-se precisamente a uma viagem feita pelos vereadores Miguel Gouveia e Madalena Nunes à Argentina, em 2016, com acompanhamento de assessoria, representando a cidade no XIV Congresso Internacional das Cidades Educadoras, que decorreu em Rosário, na Argentina. Até aqui, tudo bem,  a própria viagem, podendo sempre ser discutível como qualquer outra, nem sequer é questionada pelos munícipes que nos enviaram a respetiva cópia da fatura passada pela agência de viagens. O problema é que, como lá é referido, os mais de 12 mil euros gastos nesta deslocação, diga-se viagens, incluem transferência de económica para executiva. “Um luxo”, dizem no texto enviado ao FN, sobretudo “para uma vereação que assumiu a liderança da autarquia precisamente com o selo da transparência e da mudança de procedimentos antigos”.

No site da autarquia, podemos encontrar a alusão à referida viagem, com a vereadora Madalena Nunes a considerar “muito positiva” a participação do Funchal no XIV Congresso Internacional das Cidades Educadoras, que decorreu em Rosário, na Argentina. A Vereadora adiantou também que o Funchal vai candidatar-se ao congresso da Rede Territorial Portuguesa, em 2017.

Madalena Nunes foi à Argentina apresentar o projeto Mexe-te E5G e revela que a apresentação foi “bastante valorizada pelos participantes, granjeando rasgados elogios particularmente do autarca Fernando Almeida, da cidade de São Paulo no Brasil.” Madalena Nunes, que tem o pelouro da Educação na CMF, e o vereador Miguel Silva Gouveia, que tutela a área financeira, foram os representantes do Município do Funchal no Congresso.

A vereadora ressalvou que a capital madeirense tem desenvolvido a sua ação política de acordo com os princípios que fundamentam a Carta das Cidades Educadoras, rematando que “fazer algo diferente do que se faz habitualmente não constitui um entrave e não significa que se esteja errado, implica somente analisar os problemas com outro olhar, tentando encontrar soluções que respondam aos desafios que se colocam ao Município.”