Rubina Leal quer Funchal na Rede de Cidades Portuárias e vai abrir balcão de promoção na gare marítima

Rubina LealAPRAM A
Rubina Leal, candidata do PSD à Câmara do Funchal, pretende instalar um balcão do município na gare marítima, visando o aproveitamento do turismo de cruzeiros e dos milhares de turistas que chegam à cidade. Por ano são 520 mil.

A candidata do PSD à Câmara do Funchal diz que o turismo de cruzeiros tem uma grande importância para o município e este “não retira dele o melhor aproveitamento”. Aponta números, 300 escalas, 520 mil turistas por ano, cada um deles permanecendo 14 horas e 24 minutos, que, em sua opinião, ajudam a perceber a importância de ter “uma política específica para esse nicho de mercado”, sublinhando ser sua intenção que o Funchal faça parte da Rede de Cidades Portuárias, onde não está e deveria estar em função da relevância que o porto tem para a cidade.

Rubina Leal manteve um encontro com responsáveis da Administração de Portos da Madeira (APRAM) e revelou ainda ser sua intenção, enquanto candidata, criar um balcão municipal de promoção, na gare marítima, tendo como objetivo “dar a conhecer a cidade, nas suas vertentes dos passeios, do património, dos pontos chave para que os turistas, mas também pensando nas tripulações, possam ter um conhecimento dos percursos e evitar que andem sem grande orientação relativamente ao que é o conhecimento que deveriam ter da cidade”.

A candidata social democrata considera “importante que a Câmara do Funchal tenha um entendimento especial para o turismo de cruzeiros, deve saber vender o destino, através de uma estratégia que passa, também, por oferecer informação antes mesmo dos turistas desembarcarem”. Quer com isto dizer que “aqueles que nos visitam via marítima, devem dispor de um conhecimento sobre sítios a visitar mesmo antes da escala, preparando-se melhor sobre o local a visitar e podendo observar aquilo que temos de mais importante, além dos serviços disponíveis”, sendo esta, como refere, “uma medida que vai ao encontro da dinamização do comércio local”.

Rubina Leal reforça a ideia que “uma cidade cruzeirista deve fazer parte da Rede de Cidades Portuárias”, como forma de criar uma interação que permita “ter uma uma visão mais alargada em termos estratégicos de promoção da cidade.

A candidata pretende, também, neste enquadramento turístico, ter uma atenção especial à iluminação da cidade, bem como à sinalética que possa corresponder às necessidade da procura de informação. “Queremos um Funchal que esteja na onda, dinâmico, com animação e roteiros, correspondendo ao que é hoje uma caraterística das grandes cidades”