PDR assinalou um ano passado sobre os incêndios e criticou aproveitamento político

O PDR-Madeira emitiu ontem um comunicado assinalando um ano passado sobre os grandes incêndios que assolaram a Madeira, e em particular o concelho do Funchal, e recordando “todos os madeirenses e famílias, que nesses dias viram o trabalho de uma vida
destruído”.
“É com muita mágoa que vejo o aproveitamento político que se faz em torno desta
questão que destruiu a vida de muitos madeirenses, naqueles fatídicos dias de Agosto.
Muitos retomaram aos poucos as suas rotinas, mas não sararam as feridas”, disse o líder do
PDR-Madeira, Filipe Rebelo, acusando alguns partidos de usarem sistematicamente a
desgraça dos cidadãos para tentar tirar alguns proveitos eleitorais.
Neste contexto, afirmou que “já muito foi feito, por todas as entidades, mas muito tem de
ser feito, para proteger cada vez mais a vida dos nossos cidadãos e os seus bens. Nós, os
partidos políticos, quer tenhamos responsabilidades governativas ou não nos diversos
órgãos temos de dar o nosso contributo construtivo, e não andar a dizer quem fez ou faz
mais até que aconteça nova desgraça”.
O líder do PDR-Madeira acrescentou que é tempo de reconstruir, de pensar e preparar
a Madeira para que não ocorram mais tragédias da forma que aconteceram nos últimos sete
anos. Filipe Rebelo recordou as catástrofes que aconteceram em 2010, 2012 e 2016, quer
com as aluviões quer com os fogos, que deixaram um rasto de destruição na ilha.
“É preciso ideias e trabalho e não guerrilha política que unicamente tem por objectivo a
caça ao voto, neste período em que se aproximam umas eleições. É preciso continuar
trabalhar, para sarar as feridas daqueles que sofreram e sofrem, ajudar as pessoas a
ultrapassar os medos e receios de quem já muito sofreu e viu sofrer familiares e amigos
neste último ano”, concluiu.