OCM fecha temporada amanhã, com Pedro Meireles como solista; realiza três concertos em Lisboa na próxima semana

A Orquestra Clássica da Madeira realizará o concerto de encerramento da sua temporada no sábado, 15 de Julho, pelas 18 horas, no Teatro Municipal Baltazar Dias.

Estreando-se como solista com a OCM estará aquele que é apresentado pela organização como o mais conceituado e premiado jovem violinista português da actualidade: Pedro Meireles. Uma peça orquestral de Joly Braga Santos, o “Staccato Brilhante”, abre o concerto. Como obra central desta nossa apresentação, será interpretado, com Meireles como solista, o Concerto para Violino e Orquestra de Luíz de Freitas Branco. “Uma obra maior da composição do Séc. XX, pautada por um equilíbrio  de orquestração com diálogos por vezes tumultuosos entre o solo do violino e o tutti orquestral”, sublinha a OCM.

A segunda parte será preenchida com obra de Suppé, Mascagni, Rossini e Elgar, com Cesário Costa na direcção da orquestra, marcando o regresso deste maestro aos palcos madeirenses.

Este, que é o último concerto desta temporada na região, antecede três concertos da Orquestra Clássica da Madeira no continente português já na próxima semana, no Festival ao Largo em Lisboa e ZêzereArtes em Tomar, dois festivais que convidaram a OCM para as suas programações, informa a Orquestra.

De acordo com Norberto Gomes, director artístico, esta “foi uma temporada de contemplação das grandes criações musicais da humanidade. Sonhámos com alma e tocámos com alma. Na expectativa de termos “tocado” na sua ALMA, contamos consigo, já em Setembro. Temos novidades para si”, promete.

Os bilhetes para este concerto custam entre 20€ e 5€ e estão disponíveis na bilheteira do Teatro Municipal Baltazar Dias.

PROGRAMA:

Joly Braga Santos (1924 -1988) –  Staccato Brilhante Op. 69

Branco, L. F. (1890-1955) – Concerto para violino e orquestra (1916)

G. Rossini (1792-1868)  – Abertura da Ópera Guilherme Tell

P. Mascagni (1863-1945)  – Intermezzo da Cavalleria Rusticana

F. von Suppé (1819-1895)  – Abertura Cavalaria Ligeira

E. Elgar (1857-1934)   – Marcha Pompa e Circunstância

Maestro convidado

Cesário Costa  (n. 1970) tem vindo a distinguir-se em Portugal como um dos mais ativos maestros da sua geração. Depois do Curso Superior de Piano (Paris), completou o Mestrado em Direção de Orquestra (Würzburg, Alemanha), vencendo o III Concurso Internacional Fundação Oriente para Jovens Chefes de Orquestra. A sua atividade como maestro desenvolve-se tanto em Portugal como no plano internacional. Apresentou-se na Europa, Ásia, Cabo Verde e América com reportório que vai do barroco ao contemporâneo, tendo sempre a preocupação de divulgar obras de compositores portugueses. Colaborou com solistas e encenadores de renome. Fez a estreia absoluta de mais de cem obras, trabalhando com a maioria dos compositores nacionais contemporâneos. Paralelamente à atividade de maestro e de programador musical, tem sido professor em diversas escolas e na Universidade Católica Portuguesa. Foi Diretor Artístico e Maestro Titular da Orquestra do Algarve da Orquestra Clássica do Sul, Presidente da Metropolitana e Diretor Artístico da Orquestra Metropolitana de Lisboa. É atualmente Maestro titular da OrchestrUtópica e Principal Maestro Convidado da Orquestra Clássica do Sul.

Pedro Meireles, solista

Pedro Meireles nasceu no Porto, tendo iniciado os estudos de violino com a sua mãe. Prosseguiu a sua formação no Conservatório de Música do Porto com Carlos Fontes e Suzanna Lidegran, terminando o curso com a classificação máxima. Como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, concluiu a licenciatura e o mestrado na Royal Academy of Music, em Londres, tendo-lhe sido atribuído um DipRAM, assim como o Prémio J & A Beare.

Venceu o Concurso da Juventude Musical Portuguesa aos nove anos de idade, tendo sido posteriormente galardoado com primeiros lugares em concursos como o Prémio Maestro Silva Pereira, o Prémio Marjorie Hayward, o Prémio Mica Comberti, o Prémio de Viola Theodore Holland, o Sir Arthur Bliss Memorial Prize e o Prémio de Viola Max Gilbert. Venceu também, por três vezes, o Prémio Jovens Músicos da RTP, nas modalidades de Violino e Viola.

Como concertista e como músico de câmara, realizou mais de duzentos concertos em algumas das mais conceituadas salas da Europa. Em 2005 apresentou o Stradivarius “Viotti” da coleção da Royal Academy of Music em concerto de gala no Victoria and Albert Museum, em Londres. Foi concertino e concertino adjunto das orquestras Royal Philharmonic, Orion Symphony, New London Orchestra, Brandenburg Sinfonia e Ashover Festival Orchestra.

Pedro Meireles orientou inúmeras masterclasses de violino e viola e integrou o júri dos principais concursos e prémios de Música do país. Foi professor de Violino no Conservatório Nacional, na Academia de Música de Santa Cecília e na Academia de Música de Lisboa.

Presentemente, ocupa o lugar de Concertino Principal da Orquestra Sinfónica Portuguesa e de Concertino Auxiliar da Orquestra Gulbenkian.

Este ano, Pedro Meireles foi agraciado como Membro Associado da Royal Academy of Music.