Notas dos exames nacionais já “cantam” na pauta e deixam os estudantes entre a euforia e a desilusão

O dia “D” chegou, debaixo de grande expetativa e inquietação por parte dos estudantes que pretendem entrar este ano na universidade. As pautas com os resultados dos exames nacionais da primeira fase foram hoje divulgadas em todo o país e desencadearam, como é habitual, a euforia de muitos e a desilusão de outros. A média geral tende para a positiva. É o futuro que se escreve a partir de hoje para os alunos e famílias.

Dia 13 de julho não é sexta feira nem dia de azar como reza a tradição. É quinta feira. Mas para os milhares de jovens que aguardavam as notas que o sistema lhes exige para fazer um curso superior tudo está em jogo. A partir de 9,5 a positiva já começa a pesar mas tudo depende dos requisitos das provas de ingresso exigidas por cada faculdade.

Fotos FN.

Logo pela manhã, as reações eram díspares: uns mantêm as notas, outros descem e ainda outros surpreendem em exame, conseguindo subir até as notas internas. Os exames prestam-se a tudo isso, numa paleta de emoções e reações, pois as variáveis do estudo, dos nervos, da gestão do tempo, dos critérios de correção e de outros aspetos conseguem também falar muito alto na hora de elaborar a prova e ditar o número final que salta para a pauta do contentamento ou descontentamento.

Enquanto as escolas fazem as estatísticas globais, as pautas elencam objetivamente os resultados, sendo que na generalidade, embora sem dados oficiais globais, pode-se avançar que as médias de português e matemática, com maior número de exames realizados em todo o país, tendem a ser positivas. Um dado a aguardar pelos números do Ministério da Educação, através do IAVE.

A partir deste momento, os estudantes preparam a candidatura ao ensino superior, primeira fase, aquela que disponibiliza maior número de exames. Mas há também estudantes que não ficam convencidos com as notas obtidas e correm às secretarias das escolas a pedir cópia do exame para ponderar recurso, com um custo individual (por prova) de 25 euros). Uma aposta que poderá manter, subir ou descer a nota ora obtida. Outros, solícitos, vão ao gabinete do aluno solicitar a ficha ENES com a média do ensino secundário para avançar com a candidatura, atualmente feita on line por um número cada vez mais elevado de estudantes. Outros têm dúvidas: qual o curso a seguir? Vale a pena fazer melhoria na segunda fase, já a partir de 20 de julho? Ficar na Madeira e arriscar o Continente ou até o estrangeiro? Tudo em aberto.