Ricardo Franco acusa candidato do PSD de não ter votado a favor do “Regulamento de Apoio à Educação” em Machico

RICARDO FRANCO
Ricardo Franco critica posição do candidato do PSD, Ricardo Sousa.

O presidente da Câmara de Machico e candidato do PS a novo mandato, Ricardo Franco, insurge-se contra posições assumidas pelo candidato do PSD, Ricardo Sousa, em matéria de educação, lembrando que o social-democrata, na qualidade de vereador, absteve-se na votação do Regulamento de Apoio à Educação, que permite a atribuição das bolsas de estudo aos estudantes do ensino superior, mais carenciados, que neste ano lectivo abrangeu um total de 150 alunos, concedendo 110 mil euros de apoio.

Diz a nota assinada por Ricardo Franco que “do mesmo modo neste ano lectivo foi também concedido, de forma inédita neste Município, apoio aos manuais escolares, que nesta primeira experiência contemplou os alunos mais carenciados e que não foram abrangidos pelo apoio do Governo Regional, que curiosamente não pratica, como defende o candidato do PSD, a gratuitidade dos manuais para todos, ou seja o candidato acusa com um dedo com três virados para si. Aliás, a par destas medidas, esta Câmara ainda aprovou o IMI FAMILIAR, decisão que veio beneficiar as famílias com filhos a cargo, através da redução do imposto”.

O autarca, neste esclarecimento, volta a reiterar que o apoio social só ainda não foi maior e mais abrangente por parte do Município, “devido ao autêntico estado de penúria em que o PSD do candidato Ricardo Sousa deixou esta Câmara em 2013, com uma dívida total de 27,5M€, conforme referem os documentos oficiais da ficha do Município, emitida pela DGAL(Direção Geral das Autarquias Locais), que o PSD tenta fintar”.

Ricardo Franco diz que a gestão socialista colocou “Machico no mapa”, com impacto no setor do Turismo, apontando números: “Ao nível da ocupação hoteleira, as dormidas aumentado 30%, desde o início do nosso mandato até dezembro de 2016, sendo que os proveitos cresceram 33%, no mesmo período. Outro indicador importante tem a ver com o emprego na área hoteleira: pois de 2002 a 2013, com o PSD, foram criados 16 novos postos de trabalho(em 11 anos). Com a entrada do PS na Câmara, em dois anos (2014/2015) surgiram 27 novos empregos, faltando contabilizar 2016”.

Quanto a inércia, o autarca responde que, relativamente aos projetos falhados “certamente que o candidato Ricardo Sousa está a referir-se: ao projecto falhado que foi a falta de solidariedade do Governo Regional para com a freguesia do Porto da Cruz e o concelho de Machico, na sequência das intempéries que destruíram aquela localidade em 2013; ao projecto falhado da construção e localização da ETAR de Machico e da Estação Elevatória adjacente( que nunca bombeou 1 litro de água para rega), que custaram muitos milhões de euros aos contribuintes; do projecto falhado da unidade hoteleira do Forte de São João Batista, que há mais de uma década aguarda pela (in)decisão do governo, para quem a Câmara de Machico, nos últimos 2 anos já encaminhou vários investidores interessados e nada aconteceu; do projecto falhado quanto à falta de emissão dos pareceres do governo regional aos projectos de unidades hoteleiras de Machico, cuja atitude discrimina este município e desespera os investidores; do projecto falhado pela desistência do governo regional em concluir a estrada de ligação entre o cemitério antigo e a Palmeira, na freguesia do Caniçal, constituindo uma situação de enorme prejuízo para os interesses da população daquela localidade, falseando e não cumprindo Miguel Albuquerque com a promessa, perante o povo do Caniçal, de que concluiria aquela estrada se fosse eleito presidente, aquando da campanha eleitoral nas Regionais de 2015”.