CMF levou utentes dos centros comunitários a marchas populares nos Açores

A Câmara Municipal do Funchal promoveu este ano, pela primeira vez, a presença de utentes de todos os Centros Comunitários a cargo da empresa municipal SocioHabitaFunchal no cortejo das célebres Sanjoaninas, as Marchas Populares em honra de São João, que são as maiores festas do arquipélago dos Açores. As mesmas realizam-se no Município de Angra do Heroísmo, com o qual o Funchal é cidade geminada desde Outubro do ano passado, salienta um comunicado da CMF.

O Funchal acedeu, pois, ao convite feito então pela edilidade angrense e assegurou a presença nas comemorações de 35 utentes dos sete centros comunitários municipais, que foram acompanhados na digressão pela vereadora Madalena Nunes. Esta responsável fez questão de desfilar com a restante comitiva. A autarca fala “em dividendos notáveis a nível de coesão social e numa grande valorização humana para todos os presentes, que trabalharam afincadamente ao longo do ano na elaboração dos próprios fatos, das músicas e das coreografias e que demonstraram um orgulho imenso por poderem ir representar o Funchal além-mar, ainda para mais a uma cidade-irmã. Foi um gosto ter desfilado ao lado dos nossos utentes.”

Sublinhando “a magnífica recepção em Angra do Heroísmo, quer da parte do Município, quer da parte da população local, que reagiu com um entusiasmo contagiante à nossa presença, tornando a experiência ainda mais recompensadora”, Madalena Nunes sublinhou a importância “de todos os centros comunitários da autarquia terem sido incluídos nesta viagem, que foi feita pela primeira vez, com utentes dos 6 aos 80 anos, alguns dos quais que nunca tinham viajado de avião e para quem o impacto foi ainda maior” e considerou-a um exemplo perfeito do que deve ser a Inclusão Social, um dos pelouros que tutela: “Tão importante como as obras nos nossos bairros sociais, é o facto de o investimento que tem sido feito realizar-se a par de todo um trabalho pedagógico e social na área da literacia financeira, da gestão alimentar, da empregabilidade, da educação formal e não formal, e da criação de oportunidades como estas, cujo derradeiro objectivo é justamente uma melhor e maior Inclusão Social.”

A vereadora concluiu que “uma Cidade Educadora, como o Funchal, não pode dar-se ao luxo de desperdiçar os contributos de toda a sua população, sem excepção” e que “esta dinâmica aplicada aos bairros sociais da autarquia, para além de ser uma questão de justiça social, potencia retorno e riqueza ao nosso território municipal, que reverterá sempre na melhoria da qualidade de vida na cidade. Ao constatar o orgulho das pessoas por terem feito parte desta iniciativa e por poderem retribuir a confiança que lhes foi depositada ao representarem a cidade onde vivem, temos a certeza de que estamos no caminho certo.”

Todos os Centros Comunitários da SocioHabitaFunchal participaram nas Sanjoaninas 2017: Quinta Falcão, Canto do Muro, Palheiro Ferreiro, Quinta Josefina, São Gonçalo, Music@rte e Pico dos Barcelos. Ao longo do mês de Junho, os Centros Comunitários a cargo da autarquia tiveram, este ano, 170 pessoas envolvidas em 22 saídas de Marchas Populares, salienta nota de imprensa da edilidade.