vídeo Toxoplasmose e Gravidez: Não deixe que a felicidade do nascimento do seu bebé seja justificação para o seu animal de estimação perder toda a família

Diariamente deparo-me com situações em que as mulheres grávidas, ou que estão a pensar engravidar, são aconselhadas a não tocar nos seus animais de estimação ou mesmo a “verem-se livres” deles. Este breve texto informativo serve para desmistificar o “monstro” da Toxoplasmose, que tanta gente acredita existir. A Toxoplasmose é realmente uma doença grave que poderá trazer complicações para o feto, se a mãe for infectada durante a gravidez. No entanto é muito maior a probabilidade de apanhar a doença por comer carne mal passada ou legumes mal lavados do que por causa do gatinho que tem lá de casa. A Toxoplasmose é provocada por um protozoário: O Toxoplasma gondii. Este parasita tem como único hospedeiro definitivo os felídeos, daí ser tão associados ao gato.

Normalmente a infestação ocorre por ingestão total ou parcial de roedores, geralmente ratos, ou outras carnes, infectadas com o parasita. Um gato infestado apenas liberta ovos do parasita durante uma fase da sua vida: três a dez dias após a infestação, o gato irá libertar ovos do parasita nas fezes, durante um período máximo de 14 dias. Depois do estabelecimento da resposta imune, num animal saudável, é muito raro haver nova excreção de oocistos. Nova exceção apenas deverá acontecer no caso de o animal ser portador de doenças que diminuam as suas defesas, como Fiv ou Felv, ou se ingerir medicamentos imunossupressores (corticosteroides em doses elevadas) durante um longo período de tempo. Para as pessoas, a principal causa de infeção é pela ingestão de alimentos de origem animal ou vegetal contaminados e não por causa do contacto com gatos infestados. Por isso, se está grávida ou a pensar engravidar, antes de mais, deverá saber se já é imune ou não à Toxoplasmose. Qualquer pessoa saudável pode já ter contactado com o parasita, tendo apenas sintomas idênticos aos de uma gripe e ficando depois disso imune à toxoplasmose. Caso não seja imune, deve descartar se o gatinho que tem lá em casa alguma vez contactou com o toxoplasma. Pode saber isso através de uma análise de sangue que deve pedir ao seu médico veterinário para realizar. Caso ele nunca tenha sido exposto ao toxoplasma, e se for um gato “indoor”, não representará um risco para a sua saúde. Caso já tenha contactado com o parasita, apesar de ser altamente provável que, tal como disse acima, excrete ovos deste parasita apenas uma vez na vida, deve ter alguns cuidados, que não vão muito além das regras de bom senso e de higiene que, normalmente, todos temos: – Ingestão de alimentos bem cozinhados; – Ingestão de legumes e frutas bem lavados; – Remoção diária das fezes do gato da caixa da areia; – Utilização de luvas para a limpeza da caixa da areia, assim como na realização de tarefas de jardinagem. A remoção das fezes da caixa de areia pode ser feita por outra pessoa que não a grávida, e é mesmo importante que a caixa da areia seja limpa diariamente, pois, para que os ovos do toxoplasma se tornem infestantes, eles precisam de um período igual ou superior a 24 horas à temperatura ambiente (e depois disto têm que ser ingeridos para realmente infestarem o ser humano).

Não deixe que a felicidade do nascimento do seu bebé seja justificação para o seu animal de estimação perder toda a família!