Autoridade marítima instalou câmara permanente na Selvagem Pequena

De acordo com um comunicado da Autoridade Marítima Nacional, no âmbito do Projecto “Costa Segura” e decorrente dos trabalhos presentemente em curso nas ilhas Selvagens, a AMN activou ontem, dia 3 de Junho, um sensor electro-óptico (câmara) na Selvagem Pequena, que permitirá monitorizar a actividade marítima junto daquela ilha, sem necessidade de presença humana.

O sensor electro-óptico é comandado remotamente a partir do Posto da Polícia Marítima localizado na ilha Selvagem Grande e é operado de forma integrada com o radar existente nessa mesma ilha, permitindo, desse modo, reduzir a necessidade de presença humana na Selvagem Pequena e, consequentemente, diminuir a interferência nos seus ecossistemas sensíveis, refere-se.

A instalação deste sensor resulta de uma das acções técnicas, presentemente em curso nas ilhas Selvagens, desenvolvidas por uma equipa multidisciplinar de vinte e cinco militares e militarizados da Autoridade Marítima Nacional, apoiada pela Marinha.

Estas acções, previamente acordadas com a Secretaria Regional do Ambiente e Recursos Naturais – Instituto das Florestas e da Conservação da Natureza, visam “a consolidação do processo de capacitação do Posto do Comando-local da Polícia Marítima do Funchal nas ilhas Selvagens, visando deste modo assegurar o permanente exercício da autoridade do Estado no que concerne à vigilância, fiscalização, patrulhamento e exercício de polícia em todo o espaço marítimo circundante às ilhas Selvagens”.

Entretanto, o Comando local da Polícia Marítima do Funchal desenvolveu, entre os dias 30 de Maio e 1 de Junho, acções de fiscalização conjuntas com a Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), com o objectivo de verificar a legalidade das estações de rádio existentes a bordo de embarcações de pesca e marítimo-turísticas, nos portos do Caniçal, Funchal e Calheta.
​Esta operação foi dirigida à utilização de frequências susceptíveis de causar interferências nas comunicações de socorro, emergência e operações marítimas e aéreas.

Ao todo foram fiscalizadas 15 embarcações, tendo sido detectada uma situação irregular numa embarcação de pesca, que possuía um equipamento de VHF com frequências não permitidas.

Foi levantado o respectivo auto de notícia e efectuada a apreensão cautelar do equipamento.​