Canárias comemora o Dia da Região com alegria e união

Rui Marote (texto e fotos)

Surpreendemo-nos ontem em Gran Canaria com a ampla multidão constituída por velhos e novos, com a alegria estampada nos rostos, desfilando do Parque de Santa Catalina, percorrendo a calle Sagasta ate Las Canteras, com uma representação de cada ilha do arquipélago das Canárias, num cortejo etnográfico exibindo os produtos agrícolas, onde as palavras de ordem são cantar, beber e comer. Um cortejo no qual os carros alegóricos movem-se puxados pelos bois da lavoura.

 

Milhares de pessoas assistem, integram-se e acompanham as canções que cada ilha exibe, confraternizando com os grupos que desfilam, comendo e bebendo numa união familiar sem precedentes. O cortejo não tem nada de especial, mas tem uma tónica que merece destaque. Não há rivalidades entre ilhas, todos convivem com um sorriso nos lábios remando para o mesmo lado, ‘Canarias siempre’.

Um cortejo  etnográfico que teve início as 12h30, o que não impede uma movimentação cidadina que começa bem cedo, com exibições de grupos folclóricos e de lutas canárias na praia, em que uma grande maioria faz questão de envergar o fato ou o vestido típico, desfilando ao longo das artérias. São, mulheres, crianças e homens de todas idades, dando uma ideia do colorido da identidade deste povo ilhéu.

O Dia da Região está na rua. ao contrario do que se passa na Madeira, onde se limita a uma cerimónia no Parlamento, um Te Deum na Sé e um concerto ao fim de tarde. Não se trata de uma crítica , mas de um alerta: os Municípios da Região poderiam participar exibindo o seu folclore, a sua banda filarmónica e até os produtos originários das localidades, e dando uma amostra da nossa  história. Compete ao Governo e ao Parlamento rever e dar outras festividades  ao Dia 1 de Julho, que não seja só um feriado para um dia de praia ou um passeio de carro pelo campo. Fizemos questão de registar algumas fotos do cortejo, onde a alegria e a amizade entre ilhas está bem patente.

“Las luchas canarias”