PTP apresenta na Assembleia voto de pesar pelo falecimento de Miguel Urbano Rodrigues

O PTP vai apresentar amanhã na Assembleia Regional um “Voto de Pesar pelo falecimento do escritor e jornalista Miguel Urbano Rodrigues.

“Com esta homenagem queremos agradecer a sua coragem e contributo à democracia do nosso país”, lê-se no voto de pesar.

Miguel Urbano Rodrigues, jornalista, escritor e político comunista faleceu aos 91 anos neste sábado, 27 de Maio, em Vila Nova de Gaia, na região do Porto.

Nascido em Moura, em 2 de Agosto de 1925, oriundo de uma família de proprietários rurais abastados e republicanos, o seu pai e irmão também foram ambos escritores de renome, foi redator do Diário de Notícias entre 1949 e 1956, chefe de redação do Diário Ilustrado (1956 e 1957), antes de se exilar no Brasil, onde permaneceu por quase 20 anos durante a ditadura salazarista, tendo ali sido editorialista principal de O Estado de S. Paulo (1957 a 1974) e editor internacional da revista brasileira Visão (1970 a 1974).

Esteve presente e reportou ao mundo, em 1961, o assalto ao paquete Santa Maria pelo militar português, Henrique Galvão, com o objetivo de derrubar o regime de Salazar.

Após o 25 de Abril, regressou a Portugal, tendo sido chefe de redação do Avante! em 1974 e 1975 e diretor de O Diário entre 1976 e 1985. Foi ainda assistente de História Contemporânea na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1974-75), presidente da Assembleia Municipal de Moura em 1977 e 1978, deputado à Assembleia da República pelo PCP entre 1990 e 1995 e deputado às Assembleias Parlamentares do Conselho da Europa e da União da Europa Ocidental.

Possuidor de um vasto currículo, foi autor de inúmeros livros e publicações em jornais e revistas em Portugal e no Brasil. Foi um intelectual como poucos, defensor da transformação revolucionária do homem e da sociedade, na realização suprema da Justiça e da Felicidade.

O seu percurso de vida foi determinado pela luta antifascista e pela militância no Partido Comunista Português.