JSD critica “irresponsabilidade” e “displicência” da CMF, que trabalha “zero”

A JSD/Madeira denunciou hoje o estado de degradação no qual considera que o Funchal se encontra, atribuindo-o à “irresponsabilidade”, à “inércia” e à “displicência” da Câmara Municipal do Funchal, sublinhando que o trabalho do actual executivo autárquico é igual a “zero”.

“Nos últimos quatro anos, a CMF não promoveu a cultura nem apresentou políticas de juventude e educação para a cidade” acusou André Alves, presidente da JSD/M, para quem Paulo Cafôfo trabalha apenas e sempre para a “autopromoção”.

André Alves frisou que aquilo que o move é a “dignidade” que as pessoas merecem, através da criação de mais propostas políticas na área social, na área de formação e nas áreas da inovação e da tecnologia, declarações que produziu no âmbito da apresentação da campanha de cartazes da JSD/M, numa iniciativa conjunta com o grupo parlamentar do PSD/M, que decorreu em Santo António.

Esta campanha de cartazes irá ser alargada aos vários concelhos da Região, continuou, garantindo que a JSD vai denunciar sempre com seriedade e idoneidade aquilo que de mal tem sido feito pelos actuais executivos autárquicos da oposição.

Em relação ao Funchal, André Alves concluiu que a câmara não recolhe o lixo, não cuida dos jardins nem dos espaços públicos, deixa as estradas degradarem-se, não apoia os idosos, não retira o amianto dos bairros, inventa prémios que não existem e cria problemas de estacionamento, com graves repercussões para os pequenos comerciantes, enumerou.