Candidato do PS diz que o PSD ganhou eleições na Ribeira Brava com um cartaz sobre a nova escola que “é projeto adiado”

SONY DSC
“Queremos colocar a Ribeira Brava no lugar que merece no todo da Região. É fundamental para fazer crescer a economia, criar emprego e fixar a população jovem”. Foto Rui Marote

Num quadro que é novo em matéria de eleições autárquicas, com três candidaturas muito próximas da área social democrata, uma “oficial” de Nivalda Gonçalves, outra protagonizada pelo atual presidente da Câmara, Ricardo Nascimento, através de um movimento, e outra ainda defendida por Luís Drumond, um ex-deputado “laranja” e ex-presidente da Assembleia Municipal, que concorre agora pelo JPP, deixam pouco espaço de manobra aos candidatos dos outros partidos. O CDS-PP apoia Nascimento, o Bloco ainda não tem nome indicado.

Professor contra a “armada” social democrata

O Partido Socialista deposita confiança em Alano Gonçalves, professor, já candidato em 2009 e 2013, para este difícil desafio de combater aquela autêntica “armada” de candidatos, além dos restantes que ainda estão por anunciar.

O candidato do PS não se deixa ficar pelas aparências. Tem uma visão positiva do clima que, entretanto, foi criado na Ribeira Brava à volta das eleições. Vê o lado melhor, que nessa perspetiva otimista passa pela eleição aproveitando a divisão de votos de que todos estão à espera.

Não é um cenário de todo adquirido. Nada é adquirido em eleições. Mas desta vez, muito menos. Alano Gonçalves, que tem na mão o número de votos das últimas autárquicas, cerca de 1.500, não acredita nem que a junção de partidos dê a exata medida da soma dos votos, nem que a população vá votar sem fazer uma avaliação daquilo que está em jogo.Para ele, o PS vai tirar dividendos e a sua oportunidade pode mesmo ser essa.

Sou o único candidato a marcar a diferença”

“Com estas três candidaturas dentro do PSD, sou o único candidato com projeto próprio nas eleições autárquicas na Ribeira Brava. Os resultados do Partido Socialista, neste concelho, têm vindo a registar subidas nos últimos atos eleitorais. Além disso, o que se passa no PSD revela, claramente, que aquilo que interessa aos candidatos dessa área política, é mesmo o acesso ao poder, o que acaba por dar ao PS a possibilidade de mostrar às pessoas a diferença de apoiar um candidato com identidade e projeto, e não apoiar outras candidaturas cujos propósitos estão bem à vista”.

Descaraterização da Ribeira Brava

Alano Gonçalves afirma que, ele próprio e o partido que suporta a sua candidatura, têm vindo a alertar para a permanente descaraterização da Ribeira Brava, para a perda de influência do concelho em termos regionais, tendo como protagonistas aqueles que voltam a candidatar-se agora, em candidaturas dispersas, mas que todos sabem aquilo que fizeram e quais as suas propostas”.

Colocar a Ribeira Brava no mapa, face à redução de influência do concelho, é uma prioridade para a candidatura socialista. Na opinião de Alano Gonçalves, as obras levadas a cabo pelos governos regionais, o anterior e o atual, facilitaram essa perda de influência. E o PSD, na Ribeira Brava, não soube defender as devidas compensações para que este concelho mantivesse o seu polo de comércio, como já foi. Queremos recuperar isso, queremos colocar a Ribeira Brava no lugar que merece no todo da Região. É fundamental para fazer crescer a economia, criar emprego e fixar a população jovem”.

Câmaras que não são PSD fizeram um ótimo trabalho

O candidato socialista acredita que, desta vez, o povo vai dar a confiança ao PS. “A população já está mais identificada com as alternativas. No tempo do Dr. Alberto João Jardim, havia a idéia de que só o PSD poderia suceder ao PSD. Hoje não é assim, de tal forma que as câmaras que não foram do PSD, nas últimas autárquicas, têm feito um otimo trabalho, apesar das dificuldades económicas que resultaram daquele período que costumo classificar de “período das vacas loucas”. Todas essas câmaras que não são do PSD conseguiram dar a volta e manter investimento enquanto o PSD está mais preocupado nas suas lutas internas”.

Há um desmembramento do PSD-M

Alano Gonçalves explica as três candidaturas da área social-democrata na Ribeira Brava como “o expoente máximo da divisão interna no PSD, mas que se expressa noutros concelhos, provavelmente de forma menos visível, mas existente sem dúvida. E, estou em crer, com reflexos nos resultados. Há um claro desmembramento do PSD-Madeira, uma perda de identidade. O atual presidente do PSD-Madeira tem muitas dificuldades para gerir o seu partido da forma como está”.

PSD ganhou eleições com um cartaz sobre a escola

Naquilo que diz respeito aos reais problemas da Ribeira Brava, o candidato do PS enumera, em primeiro lugar, a escola: “O PSD ganhou as últimas eleições com um cartaz sobre a construção da escola. Quatro anos depois volta a utilizar o mesmo argumento sem que a obra tenha avançado”. Depois, as acessibilidades ao centro da vila, focando “a reabertura da estrada que liga à Tabua”, além do abastecimento de água às populações de São João e Campanário, que em sua opinião “é um problema grave que urge resolver”.

Sobre a nova escola, Alano Gonçalves defende que poderia ser construída num outro local, libertando o atual espaço para reordenar a vila, nos acessos e na própria configuração, pensando por exemplo num polo cultural ou num terminal rodoviário. “O Governo usa a escola como uma cenoura para o eleitorado. Diz, há anos, que vai construir, mas o adiamento tem sido a nota dominante”.

Centro Desportivo não beneficia o desporto da Ribeira Brava

O investimento que não foi, de forma alguma, reprodutivo para o concelho, diz Alano Gonçalves, foi o Centro Desportivo. E explica: “Lembro-me do então candidato Ricardo Nascimento, que veio a ser eleito presidente da Câmara, ter afirmado que o Centro Desportivo seria um investimento importante para a Ribeira Brava. Claramente, não foi, uma vez que os clubes da Ribeira Brava não beneficiaram em nada com aquela obra e não foram devidamente acautelados os interesses do concelho. O Centro, hoje, é utilizado por outros e não beneficia as estruturas desportivas locais”.

Há quatro anos, o PS conseguiu eleger dois vereadores, em eleições ganhas pelo PSD, que elegeu 4 e o CDS/PP conseguiu eleger 1.