Militares da Região participarão mais em contingentes de forças nacionais destacadas para missões no estrangeiro

General Rovisco Duarte (Fotos Luís Rocha)

A Praça do Município encheu-se hoje de militares para a cerimónia que assinalou os 181 anos da Zona Militar da Madeira, e que incluiu um juramento de bandeira por um conjunto de recé-formados praças. Na circunstância, o chefe do Estado Maior do Exército, general Rovisco Duarte, anunciou um reforço da participação dos militares da Região em missões internacionais em zonas de conflito. A cerimónia, presidida pelo representante da República para a Madeira, Ireneu Cabral Barreto, contou também com a presença de numerosas entidades civis, militares e religiosas, entre as quais o presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, Tranquada Gomes, entre outros dignitários.

Numa alocução proferida no momento, Rui Clero, comandante da ZMM, sublinhou que hoje se celebra o centésimo primeiro aniversário da criação, no Funchal, do comando militar da 9ª Divisão, o primeiro comando militar do exército no arquipélago.

Clero lembrou que foi no Largo do Município que sucessivas gerações de madeirenses e porto-santenses realizaram as suas cerimónias de despedida, “e, em defesa da Pátria, partiram para os quatro cantos do mundo, honrando, com o seu sangue e suor, a nossa memória colectiva”. Recordou, na oportunidade, as companhias de Caçadores mobilizadas para a Índia, de 1954 a 1959, bem como as mobilizadas para África, a partir de 1961.

Dirigiu-se de seguida às famílias dos militares integrantes do 2º Curso de Formação Geral Comum de Praças do Exército, realçando a solenidade do juramento de bandeira. Saudou, também, os ex-combatentes em África, presentes na parada desta manhã.

Rui Clero insistiu que o esforço militar na RAM assentou no recrutamento, formação, treino, emprego operacional e atenção às pessoas.

No âmbito do recrutamento, efectuou um balanço bastante positivo, pois no último ano foram incorporados 217 recrutas. Reconheceu, no entanto, que relativamente aos militares do sexo feminino, os números não são ainda os que o Exército ambiciona. “A prestação do serviço militar nos regimes de voluntariado e de contrato tem de ser encarada como uma oportunidade e uma experiência que importa levar junto dos jovens”, defendeu.

O orador considerou ainda que foi possível efectuar melhorias ao nível da formação e do treino, destacando, neste âmbito o exercício Ciber Perseu, “um exercício do Exército sobre ciberdefesa, aberto a entidades externas, e que tem tido um elevado interesse na RAM”.

No âmbito da formação salientou ainda a “excelente colaboração” com a Protecção Civil.

Quanto ao emprego operacional, “é a razão da nossa existência. Salientou, pois, a participação de forças e militares em contingentes nacionais no exterior. 11 militares da ZMM integraram desde Outubro do ano passado a força portuguesa no Kosovo, no quadro da missão da Aliança Atlântica. Dois militares participam ainda em missões no Mali e no Afeganistão.

Rui Clero mencionou também o apoio que os militares têm dado no caso de catástrofes naturais, como os incêndios que assolaram a Região no ano passado. Salientou também o reforço das capacidades militares de resgate em montanha e de sapadores de engenharia, para apoio de emergência.

Também colocou ênfase nas “excelentes relações” com as estruturas políticas da Região, bem como como as autarquias e instituições académicas, entre as quais a UMa e a Associação de Auditores do Curso de Defesa Nacional.

Elogiou ainda a acção cultural da Banda Militar da Madeira e o seu apoio à formação musical na Região.

Clero sublinhou ainda a inauguração, no RG3, da Unidade de Saúde que garante a saúde operacional a 600 militares do Exército que servem na RAM, bem como a 1500 beneficiários da ADM. Desde a sua criação, em Agosto de 2016, disse, já foram realizadas mais de 3 mil consultas médicas e de enfermagem.

Também mencionou a melhoria substancial realizada este ano, da entrada em funcionamento da nova cozinha do RG3, estrutura remodelada e modernizada.

Clero sublinhou ainda a importância que a ZMM atribui à actividade operacional, e, neste particular, deu conta dos objectivos de promover a certificação de uma Companhia de Atiradores e a participação de forças e pessoal da ZMM em contingentes das Forças Nacionais Destacadas.

Na ocasião, anunciou ainda que o edifício do Exército na Rua da Carreira será libertado, com a transferência dos serviços para o Palácio de São Lourenço.

E, na área cultural e museológica, realçou que 2017 marca o arranque formal das actividades relacionadas com o Turismo Militar, que visa dinamizar e divulgar o património militar.