João Catanho recorre da expulsão do CDS e manifesta-se contra perseguição de militantes

João Catanho, cunhado de Ricardo Vieira e ex-candidato à liderança do CDS-M, tornou pública uma posição, conforme diz, “na sequência da injusta e arbitrária expulsão” de que foi alvo no partido. Catanho apresentou o seu recurso, “com vista à minha reintegração plena no partido em que militei toda a minha vida”, conforme destaca num comunicado.
Para Catanho, “os delitos de opinião não são admissíveis em Democracia, muito menos num partido democrático como o CDS afirma ser. Perseguir militantes contra a liberdade de opinião atentaria gravemente contra a Declaração de Princípios do CDS”.

O ex-candidato, alvo de sanções disciplinares e de supostas pressões do actual presidente, Lopes da Fonseca, para a conclusão das mesmas junto de Nélia Vieira, presidente da Comissão de Fiscalização e Disciplina do partido, conforme reportado pela imprensa regional, considera inconcebível, que o CDS/PP – Madeira “seja o patrocinador de inverdades e de ilegalidades – os tais meios “injustificados” para se atingir fins – todos eles violadores dos mais elementares direitos de um militante”.

Promete, pois, levar até onde for preciso a sua luta pela verdade, “para que outros não sofram o que estou a sofrer”. Afirma, no seu comunicado à imprensa, que lutará sempre e até ao fim por um partido digno, capaz e suficientemente agregador do povo e dos eleitores da Região, nos princípios e valores que sempre presidiram ao CDS-PP, desde o momento da sua fundação em Portugal.

“Faço-o com tranquilidade, a mesma com que fui candidato a líder do CDS/PP-M em Dezembro de 2015. Faço-o com determinação e esperança em ter de novo um CDS melhor, diferente, democrático, aberto, descentralizado, doutrinário (fiel ao humanismo personalista), feito com as bases e para as bases”, diz João Catanho, considerando que o     partido não pode funcionar “como uma espécie de clube ou associação recreativa de amigos”.

“Luto por um CDS fiel a si próprio, isto é, um CDS fiel aos seus princípios e valores, um CDS respeitador da lei e dos estatutos, um CDS apoiado nas bases”, frisa.