Indivíduo faz tratamento ao álcool durante a semana e é deixado à sua sorte, na gruta, no fim de semana

Fotos DR

Em fevereiro deste ano, o FN alertou para um caso dramático de um homem que habitava em condições miseráveis, numa gruta, em Gaula, na sequência de vários desaires pessoais que o empurraram para o álcool e mendicidade.

Feito o alerta, as autoridades ligadas à intervenção oficial social convenceram-no a fazer um tratamento ao álcool. De segunda a sexta feira, este cidadão, com idade superior a 50 anos de idade, está aos cuidados da Casa de Saúde São João de Deus para o respetivo tratamento. Um passo significativo na reabilitação deste homem que tem preocupado quem de perto conhece a situação.
Mas eis que ao fim de semana, segundo o FN foi alertado, o homem é entregue à sua sorte, ou seja, à gruta, sem mais apoio, o que leva os populares a questionarem o planeamento sustentável dado a casos como estes.
O percurso de vida deste homem tem sido muito atribulado. Em março de 2004, vivia na Cancela. O incêndio destruiu a casa e afetou as duas menores, sendo que uma delas não sobreviveu ao acidente. Entretanto, enfrentou o divórcio e o refúgio tem sido o álcool e o isolamento no meio de um rochedo, situado a mais de meia hora da estrada.
Sem água, sem luz e dependente do álcool, a situação era verdadeiramente dramática. A intervenção social tem sido aplaudida mas eis que ao fim de semana volta ao abandono e o terreno propício para reincidir no vício do álcool, prejudicando seriamente o tratamento que faz durante a semana.
Ninguém compreende a lógica deste processo e voltam a alertar o FN. Um caso a merecer a atenção das autoridades competentes.