“Chegou a hora dos ricos pagarem a crise”, diz Roberto Almada

img_0206.jpg

O Bloco de Esquerda-Madeira desenvolveu hoje mais uma iniciativa de contacto com as populações, dando conta das iniciativas que tem desenvolvido na Assembleia Legislativa Regional. O deputado Roberto Almada disse que tem recebido muitas interrogações sobre o novo imposto que está a ser estudado, no âmbito do Orçamento de Estado, que tem sido defendido pelo BE, “para que os mais ricos contribuam no esforço do país”.

Almada, sobre esta matéria, disse que até agora Portugal tem tido os pobres, os desempregados, os trabalhadores, os idosos, os reformados e pensionistas a pagarem uma crise que não criaram, “a pagarem todos os desvarios dos Governos ora do PSD e do CDS, ora do PS”. O país esteve sujeito a um resgate financeiro que, “por culpa do governo PSD-CDS, destruiu a classe média”.

Por isso é que, explicou, o BE, neste momento, no âmbito das negociações para o Orçamento de Estado, está a envidar esforços para que “quem tem mais pague mais”. É nesse sentido que surgiu esta proposta de imposto para quem tem património imobiliário acima de meio milhão de euros, ou de um milhão de euros.

“A direita nesta país veio bradar aos céus, mas nós dizemos claramente que, se depender do BE, não serão os pobres, os trabalhadores, os idosos e os reformados que vão continuar a fazer sacrifícios para pagar a crise. Chegou a hora dos ricos também pagarem a crise. E os que mais têm, têm de contribuir com esforço para as Finanças do país, e ser solidário com quem menos tem”.