Depois do Presidente dos afetos, a visita hoje de Costa à Madeira para trabalho e abrir cordões à bolsa

costa 2 O Primeiro Ministro chega hoje à Madeira, pelas 14h00, para conhecer no terreno a dimensão da tragédia dos incêndios. Uma deslocação após a reunião do Conselho de Ministros que António Costa tem esta manhã.

Após a visita do Presidente da República, para os afetos à Marcelo, expressos “num abraço de solidariedade de Portugal à Madeira”, todos esperam que o chefe de Governo vá além dos afetos e dê sinais mais claros e efetivos da ajuda financeira à Madeira.

Outro dado curioso a merecer a atenção dos governantes de cá: há dezenas de cidadãos que perderam as suas moradias, que não estão no RG3 nem nos hospitais, e que sofrem momentos de profunda solidão e abandono, porque ninguém lhes bateu ainda à porta a perguntar se precisam de alguma coisa e que solução têm para os seus problemas. Basta passar na zona da Ribeira de João Gomes, quase dentro da cidade, para registar apenas alguns exemplos do drama da população. Casos que escapam ao mediatismo do folclore político mas que urge atalhar, já que foi anunciado que será feito, no terrreno, um levantamento objetivo das necessidades e danos.

António Costa fará o périplo pelas zonas mais fustigadas pelos incêndios, que ainda ardem, aliás, nas serras da Madeira, nomeadamente na Calheta e São João Latrão, ao mesmo tempo que um odor intenso a ardido cobre um Funchal repleto de cinzas.

Encontro na Presidência do GR

Após a vistoria aos locais mais atingidos, António Costa tem agendada uma reunião com o Governo Regional e autarcas das zonas mais problemáticas, na Quinta Vigia. Seguem-se, finalmente, declarações à comunicação social.

É ainda de referir que o Ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, e o Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, acompanham o Primeiro Ministro nesta deslocação à Madeira.