Abril de Sim, Abril de Não

 

abril paixão
Ilustração de José Alves.

O FN evoca hoje nas memórias o incontornável aniversário da Revolução dos Cravos, com a criatividade expressa no cartoon da autoria de José Alves. Sim, porque hoje serão imensas as palavras para revisitar a alvorada da Democracia, acompanhadas de balanços e de outras catarses tais. Não vamos por aí.

Também por sugestão de José Alves, preferimos o silêncio da reflexão, acompanhado da leitura do poema de Manuel Alegre, sobre o aqui e aquém do sonho de Abril.

Abril de Sim , Abril de Não

Eu vi Abril por fora e Abril por dentro
vi o Abril que foi e Abril de agora
eu vi Abril em festa e Abril lamento
Abril como quem ri como quem chora.

Eu vi chorar Abril e Abril partir
vi o Abril de sim e Abril de não
Abril que já não é Abril por vir
e como tudo o mais contradição.

Vi o Abril que ganha e Abril que perde
Abril que foi Abril e o que não foi
eu vi Abril de ser e de não ser.

Abril de Abril vestido (Abril tão verde)
Abril de Abril despido (Abril que dói)
Abril já feito. E ainda por fazer.

Manuel Alegre (30 Anos de Poesia, D. Quixote)