Exposição Martha Telles (1930-2001) na Casa das Mudas

Casa das Mudas Foto: Miguel Silva
Casa das Mudas
Foto: Miguel Silva

*A Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura, através da Direção Regional da Cultura, em cerimónia presidida pelo Presidente do Governo inaugurou ontem à tarde a exposição Martha Telles (1930 – 2001), na Casa das Mudas.
O conjunto de 31 obras da artista (pintura, aguarela, gravura e serigrafia) aqui apresentado, pertence à sua filha Teresa Cunha Telles Hall e esteve em exposição na Casa – Museu Frederico de Freitas, no seguimento de um protocolo de cedência por 10 anos à Região, (prorrogado por mais 5 anos).
Respeitando o compromisso de as manter acessíveis ao público, estão agora presentes nesta exposição de longa duração na Casa das Mudas, integrada no MUDAS.Museu de Arte Contemporânea da Madeira.
Martha Cohen da Cunha Telles nasceu no Funchal em 1930. Filha do madeirense, advogado e filantropo Alexandre da Cunha Telles e da cantora lírica dinamarquesa Wera Cohen da Cunha Telles, tirou o curso de Pintura na Escola Superior do Porto nos finais dos anos cinquenta.
Depois de correr mundo, desde a Europa aos Estados Unidos, realizou diversas exposições tendo sido a primeira em Copenhaga. Foi bolseira da Fundação Gulbenkian em Paris (frequentou a Sorbonne) e e do Conseil des Arts do Canadá. Estudou com a pintora Vieira da Silva e conviveu com Jorge Martins e José Escada. Percorreu a Dinamarca, a Itália, o México; exerceu funções docentes em Lisboa e Moçambique. Naturalizou-se canadiana em 1974, vindo a falecer no dia 21 de Fevereiro do ano 2001.
A pintura de Martha Telles é, em grande parte, um profundo registo da sua vivência insular, um regresso à infância e adolescência, à família, aos jogos, ao jardim, à ausência, à saudade, à quinta do Monte.
A mostra inaugurada ontem, sexta-feira, é também a primeira exposição a ocupar a Casa das Mudas desde a inauguração do MUDAS. Museu de Arte Contemporânea da Madeira e que reabre agora depois de efetuadas obras de beneficiação. A partir de agora, este espaço será um local privilegiado para albergar exposições temporárias, mostras individuais ou coletivas, que revelem artistas mais ou menos conhecidos ou que recordem ao público o percurso de artistas de renome.