CDS confronta Vânia Jesus: PSD empata audição do médico Ricardo Duarte na Assembleia

assembleia-ps-carlos pereira
O também médico Mário Pereira quer levar o colega Ricardo Duarte ao Parlamento para falar do serviço regional de saúde. Foto arquivo

Após a decisão inédita do PSD de aprovar um pedido do CDS-PP para ouvir o médico anestesista, Ricardo Duarte, no Parlamento, o mesmo CDS vem agora a público lamentar que as coisas não estejam a andar e questionam a presidente da comissão parlamentar, Vânia Jesus.

O vice-presidente do grupo parlamentar dos populares, Mário Pereira, insiste nesta audição. Após o facto inédito de a Comissão de Saúde e Assuntos Sociais aprovar por unanimidade um pedido de audição para ouvir um médico que denunciou os problemas do sistema de saúde regional, “a presidente da referida Comissão, Vânia Jesus, tem procurado protelar o essencial do pedido, que são as audições não apenas ao médico Ricardo Duarte, mas também ao Conselho Regional da Ordem dos Médicos, Sindicato Independente dos Médicos e Federação nacional dos Médicos”.

Recorde-se que, a carta do médico anestesista Ricardo Duarte, com grande difusão nos Media, afirmando-se “desmotivado” por trabalhar num serviço de saúde “onde tenho de improvisar a toda a hora”, sintetiza, em poucas palavras, a realidade da situação preocupante para onde têm resvalado os cuidados de saúde que são prestados na Região, nos últimos anos.

Mas nem o médico é chamado à Assembleia nem as demais entidades solicitadas para a audição são convocadas. Esta afirmação do CDS/PP baseia-se “no apuramento de factos, que enumera:”o pedido de audição data de janeiro de 2016, a Comissão aprovou as audições por unanimidade mas, volvidos mais de dois meses, o Grupo Parlamentar do CDS/PP sabe que as entidades solicitadas no pedido de audição ainda não foram contactadas pela Comissão para se descolarem ao Parlamento”.
Face a esta ausência de intervenção para viabilizar as audições, o CDS-PP questiona: “O que é que esconde o PSD? Quando é que pretende respeitar a decisão tomada por unanimidade?”