Capturas de atum reduziram quase para metade na Madeira

atumA safra de atum deste ano ficou aquém das quantidades e das receitas registadas em 2014. No total das espécies de tunídeos mais comuns, foram descarregadas na Madeira 2.749 toneladas de pescado, um valor bem distante das 4.890 toneladas capturadas no ano transato.

Em termos de receita apurada na RAM, o total de atum rendeu cerca de 7 milhões de euros, menos 25% que há um ano (9,2 milhões de euros), embora o preço médio por quilo tenha sido superior.

Feitas as contas, trata-se de uma quebra na ordem dos 44% nas capturas, com o gaiado a registar um decréscimo assinalável de quase 90%. Se em 2014 esta espécie atingiu quase as mil toneladas, este ano não chegou às 115.

Também o atum voador marcou pela negativa. Os dados das descargas efetuadas na RAM entre 1 de janeiro e 15 de novembro deste ano assinalam um decréscimo de 2.264 para 862 toneladas.

Só o atum patudo registou um ligeiro aumento de 6%, relativamente a 2014, atingindo agora as 1.767 toneladas.

Refira-se que a Madeira é a zona do país onde foram descarregadas as maiores quantidades de atum patudo e voador, ultrapassando os Açores e o Continente. No total do país, foram capturadas 3.170 toneladas de patudo e 913 de voador.

Relativamente ao atum patudo, o valor deste ano encontra-se muito próximo das 3.620 toneladas fixadas pelas autoridades europeias como Total Admissível de Capturas (TAC) para esta espécie, medida que passará a vigorar já a partir do próximo ano até 2018.