Uma experiência de voluntariado junto dos doentes oncológicos

silvanaNum tempo marcadamente intenso, poucos são aqueles que dividem o seu tempo com os outros na prática regular do voluntariado, talvez mais consistente do que a simples e pontual caridadezinha. Silvana Spínola é disso exemplo. Jovem estudante da APEL, do 12.º ano de escolaridade, reparte os estudos com o apoio a doentes oncológicos e, no futuro, quer dar o salto para o voluntariado internacional.

A pedido do FN, esta jovem deixa-nos o seu testemunho na primeira pessoa, sobre este desafio de ser voluntária.

“O voluntariado é uma atividade muito nobre que comecei a desenvolver este ano. Despertei para esta prática quando a Casa do Voluntário visitou a minha escola e nos falou da sua missão. Foi neste exato momento que percebi que era realmente aquilo que queria fazer.

Há muito tempo que me queria tornar voluntária. No entanto, achei por bem começar este verão, pelo facto de ter bastante tempo livre. Inicialmente não comecei na área que desejava, pois na altura do ano que era não havia oferta, mas gostei bastante de desenvolver outro tipo de voluntariado ,junto de crianças com autismo, na APPDA. Gostei e foi uma experiência enriquecedora, porque  estas crianças têm características especiais e são muito carinhosa. Sem dúvida que esta atividade superou as minhas expectativas.

VOLUNTARIADOO meu interesse pelo voluntariado tem vindo cada vez mais a aumentar. As áreas com que me identifico mais são o voluntariado de proximidade e hospitalar. Já fiz a formação inicial de voluntariado e também realizei a formação inicial de oncologia, apesar de ser uma área bastante específica. Mas é um domínio interessante que desejo muito trabalhar.

Na minha perspetiva, todos nós devíamos tirar um pouco do nosso tempo livre para podermos melhorar o dia e a vida das outras pessoas. Sou estudante e sou um exemplo vivo que apesar de o tempo ser escasso porque também desenvolvo outras atividades para além da escola, retiro um pouco do tempo que me resta para melhorar o dia de outros seres humanos.

Espero poder continuar a desenvolver o voluntariado quando entrar na Universidade, mesmo com o pouco tempo que tiver.Estou motivada para desenvolver o que realmente gosto e o meu grande objetivo é futuramente poder realizar o voluntariado internacional “.