O jovem Francisco Costa como secretário geral da ACIF por entre notáveis

reuniao-acif-joao-canah-francisco-costa-huberto-ornelasNesta incursão que o FN tem feito pela memória histórica de figuras e acontecimentos da Madeira, é a vez de centrar as atenções na centenária ACIF-CCIM, mais correntemente conhecida como a instituição que representa os empresários desta praça.

Nesta imagem do arquivo de Rui Marote, o leitor é confrontado com uma conferência de imprensa da prestigiada Associação com os seus protagonistas, alguns falecidos e outros ainda na cena económica insular. Da esquerda para a direita, após Aurélio Canha, observa-se Francisco Costa a respirar juventude, na qualidade de secretário geral da ACIF durante a presidência do eng. Humberto Ornelas.

Os anos passaram velozes e hoje encontramos Francisco Costa, no seu estilo discreto mas empreendedor, a presidir à Sociedade de Desenvolvimento da Madeira que administra o Centro Internacional de Negócios.

Fundada a 20 de janeiro de 1836, a ACIF continua a ser uma instituição de referência no empresariado regional. A partir de 1976, passou a ter por nome Associação Comercial e Industrial do Funchal, ACIF, graças ao crescimento do setor industrial e consequente peso na economia regional.

Segundo se pode ler no site da Associação, “em 1985, dado o seu contributo para a promoção das atividades económicas da Região Autónoma da Madeira (RAM), foi declarada Instituição de Utilidade Pública e, em 1992, tornou-se igualmente Câmara de Comércio e Indústria da Madeira (CCIM). No dia 31 de março de 2005, a ACIF-CCIM e o Governo Regional, em parceria, fundaram a Agência de Promoção da Região Autónoma da Madeira – APM. Hoje, a ACIF-CCIM é uma pessoa coletiva de direito privado, sem fins lucrativos, que, enquanto associação empresarial, representa as empresas que exercem a sua atividade na RAM nas áreas do Comércio e Serviços, da Indústria e do Turismo, tendo, neste momento, associadas cerca de 800 empresas (72.5% no Setor do Comércio e Serviços, 11.5% no Setor da Indústria e 16% no Setor do Turismo). Como Câmara de Comércio e Indústria, as suas responsabilidades alargam-se, obrigando a intervenções de caráter mais geral, ao nível do território regional”.

Quando se observa hoje na área empresarial madeirense certas figuras, a memória histórica mostra parte do seu trajeto.