Forte de Machico abandonado: Câmara tem um investidor mas espera que o governo abra concurso

forte são joão batista 1 Há décadas que o Forte de São João Baptista, um imóvel histórico do século XVIII, localizado junto ao porto de recreio de Machico, continua à espera de um rumo. As obras de restauro e de novo investimento pararam há cerca de 10 anos e o património degrada-se com a passagem inexorável do tempo.

A exemplo do passado, há sempre boas perspetivas de investimento para uma zona nobre como aquela onde está implantado o também conhecido Forte do Desembarcadouro. Contudo, a vontade dos investidores não tem passado das intenções e uma solução para revitalizar este exemplar da história de Machico continua adiada.

Apesar deste historial pouco promissor, e confrontado com o estado de abandono da fortaleza histórica da cidade, o presidente da Câmara Municipal de Machico anunciou que tem neste momento um investidor interessado em acabar as obras de restauro e ali construir um investimento hoteleiro. Trata-se de um emigrante, cujo nome o autarca não adianta para já, mas Ricardo Franco explica que está à espera da decisão do Governo Regional para abertura de concurso público, uma vez que se trata de um imóvel histórico que obriga a certos procedimentos burocráticos.

Recorde-se que o prestigiado arquiteto Vítor Mestre elaborou um projeto de restauro para o Forte e as obras chegaram a arrancar e até se falava na possibilidade de Sérgio Costa, antigo investidor do hotel CS Madeira, Hoje Vidamar, vir a abrir um hotel de luxo. No entanto, nada se concretizou. Entretanto, segundo o presidente da Câmara local, a empresa que estava a executar os trabalhos era a Arlindo Correia e Filhos com a intenção de terminar a obra e adaptá-la a um investimento hoteleiro. Tudo parou no tempo.

Ricardo Franco esclarece que este foi um dos assuntos que levou à reunião que teve recentemente com o presidente do Governo Regional no sentido de agilizar este processo e dar um rumo ao edifício histórico. Na reunião com Miguel Albuquerque ficou o compromisso de o Governo Regional lançar novo concurso público para conclusão das obras e exploração hoteleira. Entretanto, a Câmara diz aguardar por este passo decisivo do governo, já que o Forte, sendo património histórico, não está debaixo da alçada da edilidade.

Ricardo Franco salienta que o investidor aguarda também pela abertura de concurso para avançar. Este emigrante já entregou ao presidente da CMM um esboço do projeto que prevê uma unidade hoteleira com cerca de 70 quartos.

Segundo os dados históricos, o Forte de São João Baptista foi construído por vontade do governador e capitão-general da Madeira, Duarte Sodré Pereira, em 1708. Também é conhecido como Forte do Desembarcadouro por ali perto terem desembarcado os descobridores João Gonçalves Zarco e Tristão Vaz Teixeira.

Para além da vista esplêndida sobre a baía de Machico, esta fortaleza tem uma belíssima capela em honra de São João Baptista. Ao longo do tempo, este espaço já funcionou como hospital e até mesmo como colónia de férias das crianças do Convento de Santa Clara do Funchal.

Com as obras de revitalização da frente mar de Machico, e sendo a zona do cais muito frequentada pelos naturais e visitantes, a exploração hoteleira do Forte, devidamente enquadrada no traçado paisagístico, poderia ser uma grande mais-valia da cidade. Só a praia de areia é procurada por centenas e centenas de forasteiros e uma oferta ao nível da hotelaria no Forte seria importante até para o desenvolvimento do concelho.