GNR detém suspeito de cultivo de cannabis na Ponta do Pargo

Droga GNR
Fotos GNR

A Secção de Investigação Criminal, do Comando Territorial da Madeira, da GNR, procedeu ontem, na Ponta do Pargo, à detenção de um indivíduo de 46 anos, em flagrante delito, por cultivo de estupefacientes e suspeito do crime de tráfico de droga.

O referido indivíduo foi abordado pelos nossos militares no momento em que se encontrava a regar uma plantação de cannabis, num terreno contíguo ao da sua residência. Procedeu-se à detenção do indivíduo e à apreensão das plantas, e realizou-se, de imediato, uma busca às imediações do local onde foi encontrada mais uma pequena plantação das mesmas plantas.

Efetuou-se ainda uma busca domiciliária, em que foram ativados os binómios cinotécnicos de deteção de drogas da GNR, tendo-se apreendido os seguintes produtos e objetos:

Ø  18 plantas de cannabis com uma altura média de 1,5 metros.

Ø  08 gramas de MDMA (ecstasy).

Ø  Cerca de 63 gramas de óleo de haxixe.

Ø  Cerca de 4 gramas de anfetaminas.

Ø  Cerca de 300 gramas de planta cannabis no estado seco.

Ø  04 saquetas plásticas, contendo sementes de cannabis, com um peso total e aproximado de 42 gramas.

Ø  03 caixas metálicas, contendo no seu interior 23 capsulas plásticas com sementes de cannabis.

Ø  02 cápsulas plásticas contendo sementes de cannabis, com o peso de 5.4 gramas.

Ø  Equipamentos diversos para produção, moagem e pesagem de produtos estupefacientes.

Ø  18 panfletos de papel metalizado contendo sementes de cogumelos.

Ø  02 seringas contendo um produto transparente, com os dizeres “psi cyan“.

Ø  01 arma branca denominada “besta”.

Ø  21 virotões.

Ø  01 navalha de abertura automática.

O indivíduo foi presente hoje perante o Juiz de Instrução Criminal, do Tribunal da Ponta do Sol, ficando em liberdade e sujeito a termo de identidade e residência.

Também no final do dia de ontem, militares do Posto Territorial do Funchal, apreenderam dois pés de plantas cannabis, num terreno baldio da freguesia do Monte. As plantas foram apreendidas mas não foi possível apurar quem era o seu proprietário.