Centristas visitaram CINM e reclamam regime fiscal próprio para a RAM

wpid-dsc01254.jpg

A candidatura do CDS-PP Madeira à Assembleia da República reuniu com o presidente da Sociedade de Desenvolvimento da Madeira (SDM), Francisco Costa. Nesta reunião com o presidente da concessionária do Centro Internacional de Negócios da Madeira (CINM), o cabeça-de-lista do CDS-PP, José Manuel Rodrigues, abordou sobretudo questões relacionadas com o IV regime fiscal especial, publicado em Julho do corrente ano, e que, no entender dos centristas, devolveu competitividade ao CINM.

Para o CDS, o CINM “é um instrumento decisivo e poderoso para o desenvolvimento regional”.

wpid-dsc01261.jpg

Nas actuais circunstâncias económicas da RAM, de grandes dificuldades, vêm os centristas reafirmar que o CINM, a par do turismo, é uma das duas alavancas principais para revitalizar a economia regional, e para criar os empregos de que a Região necessita.

Hoje com “2000 empresas, com 3000 postos de trabalho”, o CINM gera 125 milhões de euros para o Orçamento Regional, ou seja, 15% da receita fiscal da Região, e com “tendência para crescer”, pelo que pode ter um impacto positivo na melhoria da situação económica e financeira madeirense, na recuperação económica e na criação de postos de trabalho.

Em 2010, porém, lembrou José Manuel Rodrigues, o Governo da República do eng.José Sócrates, abandonou as negociações com a Comissão Europeia, para negociar um regime fiscal mais competitivo para o CINM. Foi Paulo Portas, no final de 2011, que renegociou com a Comissão Europeia o IV regime, agora em vigor, lembrou.

O CDS-PP afirmou que um dos pontos principais do manifesto do seu partido para estas eleições legislativas nacionais está a reivindicação da criação de um sistema fiscal próprio, que torne a economia mais competitiva através da redução de impostos.

“É possível ter reduções significativas do IRS, do IRC e do IVA”, asseverou o presidente do CDS-PP Madeira, que beneficiem os cidadãos madeirenses, para vencer os custos da insularidade, que hoje são pagos pelas famílias e pelas empresas.