Jardim abre o livro: “PSD transformado em agência de pagamento de favores políticos”

jardinadasAlberto João Jardim deixou a chefia do governo mas continua a agitar as águas. Desta vez, o ex-presidente pronuncia-se de forma bem crítica sobre a anunciada reestruturação do Centro das Comunidades Madeirenses que passa de Divisão a Direção de Serviços com a saída de Gonçalo Nuno Santos. Tal como o Funchal Notícias já noticiou ontem, Sanho Gomes ocupará o lugar provisoriamente, uma opção do secretário da tutela, Sérgio Marques.

Jardim vem a público enaltecer o histórico trabalho do diretor cessante, Gonçalo Santos, com as comunidades portugueses: “A minha solidariedade ao Gonçalo Nuno Santos, com um trabalho brilhantíssimo durante anos ao serviço das Comunidades Madeirenses”.

Mas o homem que governou a Madeira durante mais de três décadas é cáustico para com os seus sucessores no partido e governo: “O partido de que eu fui cofundador, transformado numa agência de pagamentos de favores políticos e permeabilidade pela incompetência! Por isso é que muitos lá dentro não gostavam de mim…”. Uma crítica implícita ao recrutamento que está a ser feito pelo atual governo de Albuquerque, dando como exemplo mais recente a Secretaría Regional dos Assuntos Parlamentares e Europeus, tutelada por Sérgio Marques.