Madeirenses a ver o fogo, Polícia a fotografar matrículas para multar

fogocasas
Foto Rui Marote

O espetáculo pirotécnico levou ontem ao centro da cidade milhares de curiosos. O cartaz do Festival do Atlântico era convidativo e a fusão da música com o fogo fez acorrer madeirenses e turistas à Avenida do Mar para encher a alma com as belas imagens.

No entanto, entre o céu e a terra, um dado que provoca revolta no público: os nossos agentes da autoridade a fotografar as matrículas dos carros estacionados em cima do passeio, assim deixados à pressa para ainda assistirem ao espetáculo. A dada altura, as atenções dividiam-se entre a beleza do espetáculo do fogo a estalar no ar e a intervenção dos agentes da Polícia de Segurança Pública.Os espetadores entreolharam-se e fizeram contas à vida: será que compensa sair de casa para ver um espetáculo e depois ver no correio a nota de multa?

Todos sabem que a PSP cumpre a lei. Mas o bom senso deve acompanhar também os agentes da autoridade. Os espaços lotados no centro e a correria para testemunhar o evento, apenas por 20 minutos de fogo, a partir das 22 horas, deveria levar os agentes a alguma flexibilidade de atuação, pese embora se saiba que a caça à multa se tornou uma missão nobre das nossas polícias e não tanto a detenção da alta criminalidade. Depois, fotografar praticamente “à socapa” matrículas, nas costas titulares das viaturas, que delas se ausentaram por 30 minutos, para depois mandar a prenda pelo correio, até pode ser legal mas eticamente duvidoso. A não ser que a PSP registava a imagem da ocorrência para depois fazer uma advertência aos cidadãos com a viatura provisoriamente mal estacionada, numa atitude mais pedagógica do que sancionatória.

Face aos acontecimentos, fica o repto: à Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura, que promove e muito bem o evento, para, em diálogo com a PSP, também constituída por homens ponderados, resolver o problema, juntando-lhe apenas uma pitada de bom senso. A continuar assim, os madeirenses não quererão ‘pagar, na sua terra, um bilhete de luxo para ver o fogo.