Quanto maior o voo, maior a queda

SONY DSC
Foto Rui Marote

A vida de artista tem destas provações. “Deus que, o homem sonha, a obra nasce”, já dizia Pessoa. Então, em sonhos de artista, o homem quer sair da mediania e subir às alturas. Esquece-se da sabedoria popular que avisa sempre: quanto maior o voo, maior é a queda.

Mas, que é o homem sem o sonho, o risco, a aventura? Novamente a resposta de Pessoa: “Mais que a besta sadia, cadáver adiado que procria”. Querendo ser gigante, esbarra com os obstáculos e, quando menos espera, cai. Mas, artista que é artista, recomeça sempre do zero, distribui sorrisos e magia, agarra no público e leva-o pela mão até onde vai a sua imaginação. E assim nasce a arte, onde não há limites para a criatividade. Os ganhos dos artistas são poucos. Mas a alma fica de tal maneira tão cheia que tudo recompensa. Assim é o mundo da arte.