Miguel Sequeira: um académico para dirigir as florestas

miguel_profyleHelena Mota (texto)

Miguel Sequeira, docente da Universidade da Madeira, é o nome que se segue à frente das Florestas, devendo substituir Rocha da Silva no cargo. Segundo o Funchal Notícias apurou, o docente de Botânica e Ecologia será um dos colaboradores diretos da futura Secretária Regional do Ambiente e Recursos Naturais, ficando com a pasta do sector onde sente mais à vontade, já que a sua principal área de investigação é a taxonomia vegetal onde tem vindo a desenvolver diversos projetos de investigação.

Miguel Sequeira, colega de Susana Prada na UMa, está também ligado à ecologia (fitossociologia) onde tem desenvolvido colaborações que resultaram na descrição da vegetação da Madeira e Porto Santo. O biólogo conta com uma significativa produção científica. De acordo com plataformas académicas, assina 53 artigos em revistas especializadas e possui 13 capítulos de livros e 5 livros publicados. É coautor de trabalhos e publicações em conjunto com Susana Prada, o que revela a relação profissional próxima entre a futura Secretária Regional do Ambiente e Recursos Naturais e este cientista.

Doutorado em 2004 pela Universidade da Madeira, em Taxonomia Vegetal, Miguel Pinto da Silva Menezes de Sequeira integra atualmente o Centro de Ciências da Vida da UMa e o Grupo de Botânica da Madeira.

Do currículo de Miguel Sequeira constam ainda o conselho científico do Livro Vermelho da Flora de Portugal, a presidência da Associação Lusitana de Fitossociologia, a Sociedade Broteriana, da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais, bem como, a Liga para a Proteção da Natureza, tendo integrado também a Associação dos Amigos do Jardim Botânico da Madeira.

O novo responsável pelas florestas foi um dos 18 especialistas que há cinco anos inventariaram e traçaram o perfil das plantas em Portugal, tendo descoberto que a Madeira é a Região do país que alberga o maior número de endemismos (espécie que não existe em mais nenhum lugar), com 157 no total. Nos Açores esse número chega aos 78 e no Continente aos 150.