Veja quem são e o que querem as 11 forças concorrentes às eleições de 29 de Março

campanha2015
A campanha eleitoral para as Eleições Regionais de 29 de Março tem hoje um dos dias mais animados. Por ser fim-de-semana, as 11 candidaturas desdobram-se em iniciativas para conseguir chegar ao eleitorado.

Está em causa a eleição de 47 deputados para a Assembleia Regional.

Os cadenros eleitorais falam em mais de 250 mil eleitores mas os que iraõ às urnas são muito menos do que isso.

O Funchal Notícias oferece aos seus leitores uma síntese de cada candidatura:

PSD/Renovação/Miguel Albuquerque:

PSDSucedeu a Alberto João Jardim na liderança do PSD-Madeira e tem, a 29 de Março, uma prova de fogo. Ver-se-á se consegue a alemejada maioria absoluta ou se precisará do JPP ou do CDS para formar governo ou maioria parlamentar.

Tem andado em sucessivas iniciativas de campanha por toda a ilha e os jantares-comício tem enchido pavilhões.

Miguel Albuquerque estará amanhã, segunda-feira, dia 23 de Março às 19h30,  num Jantar/Comício no Pavilhão Gimnodesportivo de Machico.

Mudança (coligação  PS-PTP-PAN-MPT):

MudançaO líder regional do PS, Victor Freitas também joga o seu futuro político a 29 de Março. Ou alcança um bom resultado eleitoral ou é certo que os socialistas irão pedir-lhe responsabilidades, eventualmente exigindo um congresso antecipado para escolher uma nova liderança.

Na campanha, tem falado de temas prementes como a dívida da Madeira e acossado o seu adversário directo, Miguel Albuquerque pela sua gestão à frente da Câmara do Funchal e por não ter convidado o primeiro-ministro e líder do PSD, Pedro Passos Coelho a visitar a Madeira.

Chamou Quim Barreiros para a campanha que estará hoje no comício da Ribeira Brava, às 18h. Amanhã há contactos com a população da Calheta, acção de rua no Funchal, e, à noite, comício em Santo António.

CDS/José Manuel Rodrigues:

cds1


Esta tarde há ‘Festa dos Produtos Regionais’ no Parque de Santa Catarina. Os ‘4 Litro’ ajudam o CDS a chegar ao Governo. É essa a ‘meta’ dos populares que até têm uma sondagem interna que os coloca à frente da coligação ‘Mudança’.

José Manuel Rodrugues ensaiou uma coligação pré-eleitoral com o PS mas, como este recusou, ensaia agora uma coligação pós-eleitoral com Miguel Albuquerque.

Conta com o ex-líder centrista, Ricardo Vieira como n.º 2 da lista para negociar a entrada no Governo caso o PSD não consiga maioria. Está a fazer figas por isso.

JPP/Élvio Sousa:

JPPO Movimento liderado pelos irmãos Sousa deixou a pequena aldeia gaulesa e quer conquistar toda a Gália.

Conta com os votos do concelho de Santa Cruz, onde tem todas as Juntas de Freguesia, e com o aumento de eleitores no Caniço. Mas conta com as demais freguesias da Madeira pois, deta vez, todos os votos contam.

O JPP pode ser uma das surpresas deste escrutínio ao eleger 3 a 4 deputados.

Amanhã, terá uma iniciativa de contacto porta-a-porta no Funchal.

CDU (Coligação PCP-PEV)/Edgar Silva:

CDUQuer capitalizar o descontentamento da população em seu favor. O receio é que o eleitorado não reconheça o trabalho, no terreno, que a CDU leva a cabo ao longo de todo o ano e se eventure a depositar o voto em partidos que só agora apareceram.

A CDU não embarcou numa coligação de esquerda alargada liderada pelo PS. Fê-lo porque, antes de discutir nomes, gosta de discutir projectos. Não lhe agrada o tudo ao molhe e fé em deus.

Por isso vai a votos coligado com os parceiros leais de sempre, ‘Os Verdes’. Espera conseguir eleger pelo menos mais um deputado, reconquistando o grupo parlamentar.

Bloco de Esquerda/Roberto Almada:

BEFez uma travessia no deserto na última Legislatura mas sempre ‘andou por aí’. Por escassas décimas não conseguiu eleger um deputado em 2011. Ficou de fora do parlamento regional mas não baixou os braços.

Mesmo sem representação parlamentar, nos últimos 4 anos, o BE promoveu iniciativas e manteve-se activo. Tem, no terreno, raizes da velha UDP e isso pode ser decisivo na hora do voto.

O elán do Syriza, na Grécia, e do ‘Podemos’ em Espanha pode ajudar o BE de Roberto Almada a voltar ao parlamento regional.

PND/Gil Canha:

PNDO slogan de campanha é ‘ABRE OS OLHOS’. Abrir os olhos para não dar maioria absoluta ao PSD de Miguel Albuquerque a quem acusam de ter sido cúmplice durante quase 40 anos do estado a que chegou a Madeira.

Tem aproveitado para lembrar algumas alegadas “negociatas” ao tempo em que Albuquerque presidiu aos destinos da Câmara do Funchal. Falou da Cota 500, da troca de terrenos que permitiu o licenciamento do Savoy, da Tecnovia e dos Sousas que inviabilizaram a operação do Armas. Pelo meio a queixa pela destruição de cartazes em Santa Cruz.

MAS/a ‘meias’ com Luís Fernandes

MASSem meias-medidas, o Movimento Alternativa Socialista (MAS) tem dado à campanha um pendor humorístico mas sério. Canditada o popular “Meias”, Luís Fernandes a presidente do Governo Regional mas o cabeça de lista é o primo de Alberto João Jardim, José Carlos Gonçalves Jardim.

Meio a sério meio a brincar, tem levantado questões oportunas como as Parcerias Público Privadas rodoviária (PPP), a fuga aos impostos pelos grandes grupos económicos, a diferença do preço do gás entre os Açores e a Madeira e a diferença do preço do papo-seco entre a Madeira e o continente.

Tem como mentor João Paulo Gomes, o homem que esteve nos bastidores da candidatura de José Manuel Coelho a presidente da República.

Plataforma de Cidadãos (coligação PPM-PDA)

PlataformaLiderada pelo ex-socialista Miguel Fonseca, tem avançado com algumas propostas que fazem o eleitorado pensar. Ora por terem boa aceitação popular (acabar com o IMI) ora por serem pouco provávies (governo de salvagação regional).

Não fora a quantidade de forças políticas concorrentes (e o PDR só não entrou porque o Tribunal Constitucional inviabilizou) e a ‘Plataforma’ poderia ter outra força agregadora de cidadania.

Ainda assim, algumas ideias da ‘Plataforma’ fazem algum sentido embora se desconheça se terão a força e a mobilização suficientes para eleger um deputado.

PCTP/MRPP

PCTPAs ‘brigadas’ da candidatura do PCTP/MRPP prosseguem amanhã, junto da população, à divulgação e entrega do Programa Político Eleitoral do Partido, já comum e amavelmente conhecido por muitos cidadãos como o “Livrinho”.

Amanhã, a candidatura andará pelios concelhos da Ribeira Brava, Ponta do sol e Calheta. À tarde terá uma reunião com o SPM.

Propõe um Programa de Emergência para a Madeira com ideias concretas no domínio dos salários, pensões, escolas, saúde, pescas, água, luz, etc.. Propõe a suspensão imediata do PAEF-RAM e rejeita a austeridade e o desemprego.

Confundido com o PCP, é o primeiro da lista no boletim de voto e isso poderá ajudar a amealhar mais votos.

PNR/Álvaro Araújo

PNRO Partido Nacional Renovador (PNR) candidata o enfermeiro Álvaro Araújo às Regional de 29 de Março. Apresenta-se pela primeira vez a umas eleições deste tipo para afirmar “o Nacionalismo e a defesa do que é nosso, não contra os outros, mas contra quem nos oprime”.

O partido não tem tido grande expressão na Região talvez porque as causas que abraça a nível nacional tenham pouco eco na Madeira.

Não tem grandes meios para fazer propaganda por isso limita-se a divulgar a mensagem recorrendo à comunicação social. Tem ideias para o emprego, a saúde, a agricultura e pescas, o ambiente, o turismo, a família, a educação, o Porto Santo, as Selvages e a Zona Económica Exclusiva.