Livro retrata vida e obra de Paul Langerhans

livro_ilhasAs “Ilhas”de Paul Langerhans, título da edição em Língua Portuguesa da obra de Björn Hausen, uma biografia em fotos e documentos de um dos médicos e investigadores mais importantes do século XIX, foi apresentada recentemente no âmbito do Congresso de Endocrinologia 2015.

O lançamento na Madeira surge em virtude de Paul Langerhans ter vivido os últimos anos da sua vida na ilha. Natural da Alemanha, Berlim, onde nasceu a 25 de julho de 1847, Langerhans chegou ao Funchal em outubro de 1874, após ter contraído tuberculose pulmonar. Veio à procura do clima ameno e da cura.

Quando a doença permitiu, retomou os seus trabalhos de investigação, recolheu e sistematizou diversas espécies zoológicas e publicou o livro: Manual sobre a Madeira, com referências, aos costumes, aspetos turísticos e condições sanitárias da ilha, com o objetivo de informar os seus conterrâneos. Langerhans distinguiu-se pela descoberta de duas formações de células do organismo humano – as ilhotas no pâncreas e as células dendríticas na epiderme.

Na “ilha do exílio”, conforme disse então Langerhans, dedicou-se também à prática da clínica assistencial “que exerceu com zelo e dedicação até ao limiar das suas forças”, refere-se no prefácio da autoria do médico Silvestre Abreu, diretor do Serviço de Endocrinologia do Hospital Central do Funchal, a quem se deve o impulso para a tradução da obra e a coordenação da edição.

A tradução, escreve Silvestre Abreu, pretende “dar a conhecer aos profissionais de saúde o homem, o cidadão, o médico e o investigador que foi Paul Langerhans. Na sua opinião, o cientista “transpôs as fronteiras do tempo com as inúmeras publicações, ficando para sempre na História da Medicina”. Paul Langerhans faleceu, na Quinta Vigia, a 20 de julho de 1888, encontrando-se sepultado no Cemitério Inglês.