Estepilha: Na Marinha, nem a bandeira escapa à decrepitude…

Rui Marote
Duas lanchas rápidas chegaram ao Funchal para substituir o polémico navio-patrulha -NRP Mondego que tanta tinta fez correr, pondo para já um ponto parágrafo nos episódios da novela que ainda não tem a palavra “Fim” à vista.
As duas lanchas estão junto à Lota do Funchal. Mas ficámos desiludidos com o estado da bandeira nacional. Será que reflecte o estado actual da nossa Marinha?! Não queremos acreditar que seja tão mau assim.
Parece que à saída de Lisboa não houve tempo para requisitar um novo pavilhão nacional. A bandeira da República apresenta as cores esmaecidas e está feita em farrapos.

Faz lembrar um episódio engraçado em que já falámos em tempos: Um grupo de peregrinos foi ao palácio do Governador de Goa, Massano de Amorim (falecido em 1929) pedir um donativo para os cantores da festa de São Francisco Xavier. Implacável, o general respondeu; “Não tenho dinheiro para aqueles que choram, muito menos para aqueles que cantam”.

É caso para dizer: não tenho dinheiro para armada avariada no estaleiro e muito menos para bandeiras…