Associação Cartilha Madeirense acusa Governo e a GESBA

A Associação Cartilha Madeirense refere, num longo comunicado, que ontem, durante a emissão do programa da RTP Madeira, Interesse Público, cuja temática era a análise da produção da Banana da Madeira, “ficou patente e extensivamente evidente a postura insultuosa e alvitrante do gestor da empresa GESBA, empresa essa, monopolista da comercialização da Banana da Madeira”.

“O sr. Dias da Gesba e o seu vassalo, demonstram ao longo de todo o programa o maior desrespeito pelos Bananicultores Madeirenses pelas suas famílias e dependentes”, diz a associação. Isto, “ao ponto de revelarem criminosamente dados pessoais e confidenciais de um Bananicultor presente no debate e de modelarem todos os seus outros argumentos como indignos insultos pessoais”.

“A Gesba”, acusa a “Cartilha Madeirense”, “não é mais do que um instrumento parasita do governo regional, onde este se escuda e aproveita de uma receita europeia destinada ao produtor de Banana da Madeira”.

“Tal facto é inconcebível”, refere o comunicado, e “será denunciado às instâncias comunitárias”, nomeadamente à “OLAF órgão policial competente para análise e investigação de desvios e maus usos dos subsídios e apoios comunitários”.

“A GESBA e o Governo Regional terão de explicar a nessas e noutras instâncias, em especial naquelas que nos garantem o apoio compensatório, das razões da retenção pelo governo e posterior entrega a GESBA para administração desses apoios. Apoios destinados originalmente e universalmente ao produtor por cada quilograma de Banana Produzido”, promete a agremiação, que considera “inconcebível a adulteração da raiz e objectivo dessa compensação comunitária”.

“Uma das causas de discussão, relacionava-se com uma indeminização de seguros de colheitas patrocinado pela Gesba. Esta indemnizou em 10 000 euros um produtor, mas, contas feitas, essa mesma indemnização nas Canárias ou na Martinica seria superior a 40 000 Euros. Reclamar do desastroso seguro de colheitas da Gesba é um facto óbvio e necessário para conhecimento público e de todos os produtores agrícolas da Madeira”, refere-se ainda.

“A eterna comparação com a história das cooperativas e a actual gestão da Gesba, cada dia, cada mês e cada ano que passa, é mais irrealista e falsa. A “falência” das últimas cooperativas da Banana da Madeira deveu-se a retenção intencional pelo Governo Regional do Alberto João, em 2006 e 2007, de duas transferências de fundos de compensação comunitária”, assegura-se. “O não pagamento de 8 milhões de Euros e depois de outros 7 Milhões teve como objectivo asfixiar a gestão das cooperativas, ganhando vantagem e chantageando-as a aceitar esta malfadada solução do governo que hoje nos escraviza, explora e condiciona o nosso crescimento comercial e de produção como produtores”.

A associação considera necessária a actualização das políticas do GR para com o sector.