Lista de Artur Baptista à Ordem dos Advogados aposta na advocacia preventiva

Com cerca de 100 advogados presentes, a lista O, candidata ao Conselho Regional da Madeira da Ordem dos Advogados, liderada por Artur Baptista, fez na noite da passada segunda-feira, a sua apresentação pública, tendo como lema “Eu Sou Advogado”.

Na ocasião, Artur Baptista, defendeu que, temas como a advocacia preventiva, a dignificação da advocacia e do advogado, a formação e o apoio aos jovens advogados, merecem a sua especial atenção.

Elencou, um conjunto de medidas que pretende levar a efeito por forma a  garantir um efetivo apoio aos jovens advogados, desde o estágio até ao seu início de carreira, como sejam, entre outras, a criação de uma comissão jovem que garanta a ligação entre a Ordem e os jovens advogados, em colaboração com a AJAM, garantindo a autonomia e independência desta Associação,  numa auscultação permanente de problemas, das reivindicações e anseios dos jovens advogados, mas também das suas ideias e propostas; ainda criar uma formação de cariz meramente prático, em complemento do estágio; promover a celebração de protocolos com entidades que possam criar condições adaptadas que permitam aos jovens advogados em início de carreira ter condições de adquisição do seu espaço e equipamentos; trabalhar para criar melhores condições no acesso ao direito, entre outras tantas.

Defendeu também que a ordem dos advogados tem de estar junto da sociedade civil, explicando ao cidadão a importância de fazer-se acompanhar de advogado, sempre que estejam em causa os seus direitos e o cumprimento dos seus deveres, fazendo-o numa lógica preventiva.

Também referiu que o advogado tem de ter o seu papel bem definido perante as outras instituições da justiça, sem arrogâncias, mas garantindo o respeito e a credibilidade que o advogado merece, acabando, por exemplo com as expressões, não precisa trazer advogado”, criando condições para que seja o próprio cidadão a contrariar tal expressão, demonstrando que quer fazer-se acompanhar de advogado.

Na formação, propõe-se, fazê-la em horários compatíveis com o exercício da profissão, certificando-a, descentralizando-a, levando a realização das formações a outros concelhos da Região, incentivando ainda a formação com recurso às tecnologias de comunicação à distância, para quem não posa estar presencialmente.

Terminou, garantindo aos colegas que, caso seja eleito, terão no Conselho Regional, mais que um “ombro” amigo, um espaço e uma entidade a quem podem recorrer e de quem podem esperar a colaboração necessária, garantindo-lhes essa sempre falada dignificação da classe.