PSD tranquiliza: PSP tem a situação dos sem-abrigo “caracterizada e quantificada”

Os cidadãos da RAM devem sentir-se tranquilos, depreende-se das conclusões da reunião mantida pelo Grupo Parlamentar do PSD com o comandante da Polícia de Segurança Pública: é que, diz a deputada Rubina Leal, a situação dos ‘sem-abrigo’ e das pessoas que fazem a sua vida na rua “está perfeitamente identificada, caracterizada e quantificada”.

A deputada afirmou que existe um conhecimento real da situação, quer por parte da PSP, quer pelas entidades que trabalham nesta área, referindo que a maior parte dos casos, se localiza nos concelhos do Funchal e Câmara de Lobos, estando sobretudo associados às toxicodependências.

Há, assim, segundo Rubina Leal, um trabalho contínuo que envolve várias entidades, desde as forças de segurança, o Governo Regional, as autarquias e as Instituições de Solidariedade Social.

O dito trabalho acrescentou a deputada, “será reforçado com a implementação de novos projectos de reinserção de pessoas sem-abrigo, através da canalização de quatro milhões de euros do PRR (Plano de Recuperação e Resiliência)”.

Neste âmbito, salientou a deputada, o Executivo Madeirense já abriu um primeiro concurso público que visa a criação de quatro equipas de rua e a aquisição de uma viatura eléctrica de sete/ nove lugares, assim como a definição de 20 projectos de capacitação e integração.

Além disso, referiu, até 2026, o Governo Regional pretende avançar com a criação de um centro de acolhimento noturno, acrescentando que, actualmente, o acompanhamento das pessoas nesta situação faz-se através de protocolos com entidades que trabalham no terreno, designadamente, a Associação Protectora dos Pobres (APP), o Centro de Apoio aos Sem-Abrigo (CASA) e a Assistência Médica Internacional (AMI).