Irregularidades na atracação imperam em Câmara de Lobos, afirma empresário

O FN recebeu uma chamada de atenção de um empresário que, afirma, desejava investir no Concelho de Câmara de Lobos, mas entretanto mudou de ideia, pois diz que “quem manda no cais de Câmara de Lobos são os pescadores e não o Governo Regional”, acusando ainda a Polícia Marítima de não actuar.

“Após adquirir uma embarcação em Março de 2022 que custou quase 200 mil euros, estava disposto a apostar numa empresa vocacionada para os mergulhos, tendo a corveta que afundaram no Cabo Girão como oportunidade de mostrar que os nossos mares são magníficos para essa actividade, refere o empresário. Mas diz que, quando tentou “fazer testes na acostagem e verificar onde poderia deixar o barco”, deparou-se com dificuldades, devido a pequenas embarcações, amarradas nos dois pontões existentes no cais.
“Ao me aproximar tinha lá algumas pessoas que logo disseram: “Se tocas em algum barquinho, vão voar pedras”. Perguntei se pagariam algum valor para haver autorização dos barquinhos estarem amarrados ao pontão a atrapalhar outros barcos que queriam acostar nos pontões, e a resposta foi ainda melhor: “Vai para a tua terra que aqui mandamos nós”!
“Foi uma novidade: deve ser o único cais na Madeira em que os supostos pescadores mandam e nem as autoridades fazem alguma coisa”, queixa-se.
Depois observou no cais de Câmara de Lobos haver ainda mais pequenas embarcações amarradas aos dois pontões: “Não passava uma simples canoa que quisesse ir até ao varadouro existente. Uma autêntica vergonha o que se passa no cais de Câmara de Lobos. Baía lindíssima mas com uma total desorganização no que diz respeito ao ordenamento das embarcações lá existentes. É chegar e deitar a poita onde quisermos ou simplesmente amarrar nos pontões e está feito”, refere.
“Visto eu ter alguns conhecidos lá, perguntei o que poderia fazer para poder criar a minha empresa de mergulhos e deixar a embarcação na baía, a resposta foi 5 estrelas, NÃO FAÇAS TAMANHA ASNEIRA!! Aqui em Câmara de Lobos, não vais ter sorte, pois ninguém faz seja lá o que for para ter regras no cais, seja de embarcações, seja lá no que for, pois a Polícia Marítima raramente vem cá e quando vem até parece que são cegos para não verem a vergonha que é, aliás as pequenas embarcações nem  registadas se estão, nem seguros nem nada e estão lá pois a Polícia Marítima tem medo de passar multas”, denuncia.
“Nunca fizeram vistorias nas embarcações, muitas vão para as potas e não só e sem seguros ou pessoas habilitadas para tal. É a realidade de uma terra que está a voltar atrás no tempo. Não investem nem deixam investir e a Câmara nada faz pois não querem perder votos, vê lá que até para pagar um valor simbólico do varadouro fazem guerra e a Câmara cala-se”, afirma o jovem empresário, citando o que lhe foi referido por conhecidos.
Acrescenta que nem todos os pescadores têm este comportamento, mas “a maioria é o quero, posso e mando”.
Por isso o empresário, que afirma que a sua empresa criaria 5 postos de trabalho, diz que levará a sua empresa para outro concelho pois “Município, autoridades e Governo nada fazem para pôr ordem neste senhores que supostamente mandam no Cais de Câmara de Lobos”.